Mercado fechará em 1 h 58 min
  • BOVESPA

    113.225,33
    +952,32 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.495,80
    -25,63 (-0,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,52
    +0,62 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.942,90
    +3,70 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    23.122,85
    -47,04 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,43
    +6,63 (+1,28%)
     
  • S&P500

    4.040,44
    +22,67 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    33.778,77
    +61,68 (+0,18%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.071,75
    +103,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5305
    -0,0165 (-0,30%)
     

Governo dos EUA examina mais de 500 informes sobre óvnis

O governo dos Estados Unidos examina 510 informes de avistamentos de óvnis, segundo seu relatório de 2022, divulgado nesta quinta-feira (12), mais que o triplo do número registrado no ano anterior, e embora muitos fossem drones ou balões, centenas continuam sem explicação.

O relatório do Diretor de Inteligência Nacional (DNI) indica que foram apresentados 247 informes de "fenômenos anômalos não identificados" (UAP, na sigla em inglês) desde junho de 2021, quando foram registrados 144 avistamentos de objetos aéreos suspeitos, que estão sendo analisados.

O documento acrescenta que voltaram a ser examinados outros 119 avistamentos que tinham sido arquivados nos últimos 17 anos, elevando a 510 o total de casos em análise.

A maioria dos novos relatos provém de pilotos da Marinha e da Força Aérea, ressalta o informe.

Deles, cerca de 200 eram balões, drones ou a chamada desordem aérea, que inclui pássaros, fenômenos meteorológicos e sacolas plásticas no ar.

Mas outros não têm explicação, segundo o DNI, uma versão não reservada de um relatório entregue ao Congresso.

É nestes que o Pentágono, as agências de Inteligência e a Nasa concentram sua análise, não por preocupação de que se tratem de naves extraterrestres, mas capacidades de espionagem desconhecidas de países rivais.

"Os UAP continuam representando um risco para a segurança dos voos e representam uma possível ameaça de coleta (de Inteligência) por parte de adversários", indica o informe.

"Alguns destes UAP (...) parecem ter demonstrado características de voo ou capacidades de rendimento incomuns, e requerem uma análise mais profunda", ressalta.

O documento também assinala que vários destes avistamentos ainda sem explicação poderiam se tratar de fenômenos meteorológicos, sensores defeituosos ou análises equivocadas.

"Muitos informes carecem de dados suficientes para atribuir-lhes com certeza (a categoria) UAP", indica.

O documento do DNI foi elaborado após anos de pressões do Congresso para que a comunidade militar e de Inteligência levasse a sério o que antes se chamavam óvnis (objetos voadores não identificados).

Em 2020, o Pentágono publicou um vídeo gravado por pilotos da Marinha de objetos que se movimentavam a velocidades incríveis, giravam e desapareciam misteriosamente, algo ainda inexplicado.

"Levamos a sério os informes de incursões no nosso espaço designado, terra, mar ou espaços aéreos, e examinamos cada um", disse, em nota, o porta-voz do Pentágono, Pat Ryder.

pmh/des/yow/cjc/mvv/am