Mercado fechará em 4 h 20 min
  • BOVESPA

    112.098,07
    +219,54 (+0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,11
    -0,17 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.843,60
    +13,40 (+0,73%)
     
  • BTC-USD

    19.362,41
    +413,16 (+2,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,66
    +6,25 (+1,67%)
     
  • S&P500

    3.671,09
    +2,08 (+0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.966,42
    +82,63 (+0,28%)
     
  • FTSE

    6.462,73
    -0,66 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.474,25
    +20,00 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2747
    -0,0451 (-0,71%)
     

Governo dos EUA autoriza Sony a fornecer câmeras para a Huawei

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

Os executivos da Sony têm motivos de sobra para comemorar — o governo dos Estados Unidos concedeu uma autorização para que a gigante japonesa retome o fornecimento de componentes eletrônicos para a chinesa Huawei, que, por conta de sanções econômicas estadunidenses, estava proibida de fazer negócio com uma série de fornecedores críticos para a fabricação de seus smartphones.

A Sony é líder mundial no desenvolvimento e fornecimento de sensores fotográficos, que são embutidos em uma série de dispositivos móveis. A Huawei é um de seus principais clientes, o que significa que, se as sanções continuassem, a proibição poderia causar um belo prejuízo financeiro para ambas as partes. Além da Sony, a Howe Technology também recebeu sinal verde para fornecer componentes à marca chinesa.

Vale observar que, embora tal novidade seja interessante para a Huawei, a empresa continua sofrendo com proibições de receber componentes de uma série de fornecedores críticos — MediaTek, Samsung Electronics, LG Displays, SK Hynix, Kioxia, Toshiba, Mitsubishi Electric e Renesas prosseguem proibidas de firmar qualquer negócio comercial com a marca em questão.

Podemos considerar como a sanção mais grave, porém, a proibição de fornecimento de componentes da TSMC, fabricante de semicondutores que era responsável pela linha de chipsets Kirin. Se o cenário não for revertido o mais rápido possível, a Huawei provavelmente ficará sem um sucessor de seu mais recente chipset de alta performance, o Kirin 9000.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: