Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.309,11
    -236,22 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Governo dos EUA atinge teto da dívida em meio a impasse no Congresso

Sede do Departamento do Tesouro dos EUA, em Washington

Por David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - O governo dos Estados Unidos atingiu seu limite de endividamento de 31,4 trilhões de dólares nesta quinta-feira, em meio a um impasse entre a Câmara dos Deputados, controlada pelos republicanos, e os democratas do presidente Joe Biden, que pode levar a uma crise fiscal em alguns meses.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, informou aos lideranças do Congresso, inclusive o presidente da Câmara dos Deputados, Kevin McCarthy, que seu departamento começou a usar medidas extraordinárias de gestão de caixa que podem evitar a inadimplência até 5 de junho.

Os republicanos, com uma maioria recém-conquistada na Câmara, pretendem usar o teto da dívida federal determinado pelo Congresso para exigir cortes de gastos de Biden e do Senado, liderado pelos democratas.

Yellen alertou que a data de junho está sujeita a "considerável incerteza" devido ao desafio de prever pagamentos e receitas do governo com meses de antecedência.

"Peço respeitosamente ao Congresso que aja prontamente para proteger a plena fé e o crédito dos Estados Unidos", disse Yellen aos líderes do Congresso em uma carta nesta quinta-feira.

Mas não houve sinal de que os republicanos ou os democratas de Biden estejam dispostos a ceder.

"É algo que deve ser feito sem condições. Não devemos negociar em torno disso. É dever básico do Congresso fazer isso", disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, a repórteres .

Em vez disso, os republicanos estão buscando um plano de "priorização da dívida" que buscaria evitar a inadimplência, insistindo ao Tesouro para priorizar o pagamento da dívida e possivelmente outras prioridades, como Previdência Social e Medicare, caso o limite seja violado durante as negociações. Os republicanos esperam concluir a legislação até o final de março.

(Reportagem de David Morgan, reportagem adicional de Jeff Mason)