Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    47.648,94
    -3.130,84 (-6,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Governo deve propor salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real

·2 minuto de leitura

O governo envia ao Congresso, nesta quinta-feira, o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022, que prevê as bases para o Orçamento do próximo ano. A equipe econômica deve anunciar a previsão de um reajuste do salário mínimo de R$ 1.100 para R$ 1.147 em janeiro de 2022.

O valor seria reajustado tendo como base uma inflação medida pelo INPC de 4,3%, sem ganho real. Esse número, porém, pode mudar, de acordo com o andamento da inflação ao longo deste ano.

O Ministério da Economia deve prever ainda um rombo nas contas públicas na casa de R$ 170 bilhões, de acordo com fontes que participam das discussões.

Apesar de o Orçamento de 2021 ainda não ter sido ainda sancionado, a legislação determina que o projeto da LDO seja encaminhado pelo governo até o dia 15 de abril.

A LDO estabelece as regras gerais da proposta orçamentária e inclui previsões de receitas, riscos fiscais e cálculos para a dívida pública.

A LDO deste ano prevê um rombo de R$ 247,1 bilhões. O déficit primário proposto indica quanto o governo deve gastar acima da arrecadação do ano, sem contar os gastos com a dívida pública. Para pagar essas despesas acima da renda, a União precisa emitir mais dívida.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pretende mostrar uma recuperação gradual nas contas públicas, com a redução do déficit. O foco principal dele é conter o endividamento do governo, que se aproxima de 90% do PIB.

O governo prevê que as contas públicas continuem no vermelho pelo menos até 2023. Com isso, o país terá dez anos seguidos de rombo nas contas. O primeiro déficit foi registrado em 2014.

As bases do Orçamento de 2022 começarão a ser discutidas enquanto o Orçamento de 2021 ainda não foi solucionado.