Mercado fechado

Governo deve prever queda maior do PIB em 2020, diz Sachsida

Martha Beck

(Bloomberg) -- A projeção oficial de que o PIB brasileiro terá uma queda de 4,7% em 2020 será revista em julho e provavelmente mostrará que o tombo deste ano será bem maior. A estimativa atual foi feita considerando uma reabertura da economia a partir de 1º de junho, o que não aconteceu, disse o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida em entrevista.

Segundo ele, embora diversas cidades brasileiras já estejam reabrindo o comércio gradualmente, haverá uma perda para a atividade. Pelos cálculos da Secretaria de Política Econômica (SPE), cada semana de paralisação e isolamento social em razão do coronavírus tem impacto negativo de R$ 20 bilhões para o PIB.

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) prevê que a economia brasileira pode afundar 9,1% se houver uma segunda onda de Covid-19.

A agenda de retomada da economia após a pandemia do novo coronavírus terá quatro frentes, segundo o secretário. Ela será focada em políticas de geração de emprego, combate à pobreza, numa lei de falências mais ágil e eficiente e na melhoria do mercado de crédito e garantias. “O Brasil vai sair da pandemia mais pobre e endividado”, disse ele ao explicar as quatro frentes de atuação da equipe econômica.

Um dos objetivos é atuar na formalização dos milhões de trabalhadores que se tornaram visíveis durante pandemia ao solicitar o auxílio emergencial de R$ 600. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em reunião ministerial na segunda-feira que o governo quer retomar a ideia da carteira verde amarela, pela qual os trabalhadores podem ter contratos mais flexíveis em relação à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Já o programa de ajuda aos informais vai ser prorrogado por mais dois meses, mas tem caráter temporário. Cada mês do auxílio emergencial custa R$ 45 bilhões, o que equivale a 18 meses do Bolsa Família.

Segundo Sachsida, o governo prepara um programa social estrutural, chamado Renda Brasil, que poderá integrar o Bolsa Família a outros programas sociais para dar maior eficiência aos gastos públicos.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.