Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.718,04
    -2.113,57 (-4,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Governo determina redução de consumo de energia em prédios públicos

·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* ALTAMIRA, PA, 29.08.2018 - Casa de força principal da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)
*ARQUIVO* ALTAMIRA, PA, 29.08.2018 - Casa de força principal da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O governo publicou nesta quarta-feira (25) decreto com medidas para a redução do consumo de energia nos prédios públicos da administração federal. A expectativa é conseguir uma economia de 10% a 20% em comparação ao consumo anterior à pandemia.

A medida é mais um reforço na busca de garantir o suprimento de energia até o verão, quando espera-se que as chuvas voltem a cair sobre os reservatórios das hidrelétricas. Nesta terça (25), o CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico) avaliou que a situação hídrica do país teve "relevante piora".

O decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro indica alternativas para o melhor uso dos equipamentos consumidores de energia, como sistemas de ar condicionado, iluminação, computadores, geladeiras e freezers, aquecedores de água, elevadores e bebedouros.

O texto determina que órgãos e entidades relacionadas à administração federam criem comissões internas de conservação de energia para assessorar os dirigentes na adoção das medidas. Essas comissões deverão funcionar até 30 de abril de 2022.

A comparação do consumo atual com a média de mês equivalente nos anos de 2018 e 2019 deverá ser publicada na internet. Os órgãos que não conseguirem atingir as metas de economia terão que apresentar justificativa.

Entre as medidas sugeridas, estão o uso de ventilação natural nos dias com temperaturas amenas, a imposição de limites às temperaturas de aparelhos de ar condicionado, o uso de iluminação natural quando possível, a redução da iluminação em pátios de estacionamento, garagem e áreas externas e cuidados com computadores e geladeiras.

"O decreto é fruto de discussões realizadas no âmbito da Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG), que tem atuado de forma a preservar os recursos hidroenergéticos e manter a segurança e continuidade do fornecimento de energia elétrica, tendo em vista o quadro de escassez hídrica que o País enfrenta", disse o MME (Ministério de Minas e Energia).

A administração pública direta e indireta dispõe hoje de mais de 22 mil edificações próprias e cerca de 1.400 imóveis alugados, como escritórios, escolas, hospitais e universidades.

"Por meio do decreto", diz o ministério, "o governo federal se une ao esforço realizado pela sociedade na tomada de medidas de redução do consumo de energia elétrica, necessárias para o enfrentamento da situação hidroenergética desfavorável".

O CMSE avalia que, "predomina a degradação dos cenários observados e prospecções futuras, com relevante piora, fazendo-se imprescindível a adoção de todas as medidas em andamento e propostas, destacadamente a alocação dos recursos energéticos adicionais e flexibilizações de restrições hidráulicas".

O comitê propôs a flexibilização das restrições operativas na bacia do rio São Francisco e a redução de cotas mínimas em outras bacias, para uso dos estoques energéticos que vinham sendo poupados. Decidiu ainda apresentar à Creg um plano de incentivo à economia por pequenos consumidores, a exemplo de proposta já feita para consumidores de grande porte.

O engajamento de todos os consumidores é alvo de cobrança de especialistas, que veem as medidas anunciadas até agora como insuficientes para garantir o suprimento até o fim do ano e com alto potencial de pressão sobre a conta de luz.

Nesta terça, o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) propôs um sistema de bonificação a clientes que economizarem energia por meio de descontos na bandeira tarifária, a taxa extra cobrada sobre a conta de luz para custear as térmicas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos