Mercado abrirá em 2 h 18 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,90
    -2,05 (-2,93%)
     
  • OURO

    1.798,70
    +13,50 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    56.564,53
    -553,02 (-0,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.428,28
    -0,65 (-0,05%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.007,03
    -102,92 (-1,45%)
     
  • HANG SENG

    23.475,26
    -376,98 (-1,58%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.270,00
    -120,75 (-0,74%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3506
    +0,0214 (+0,34%)
     

Governo define regras do Auxílio-Inclusão para deficientes

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério do Trabalho e Previdência publicou na edição do Diário Oficial da União desta sexta-feira (19) uma portaria que define as regras para o pagamento do Auxílio-Inclusão à Pessoa com Deficiência. O benefício foi criado neste ano e começou a ser pago pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em outubro.

Para poder receber o novo auxílio, o trabalhador deve exercer, na data de entrada do pedido, atividade remunerada que o enquadre como segurado do RGPS (Regime Geral de Previdência Social) ou do RGPS (Regime Próprio de Previdência Social) da União, estados ou municípios e que tenha remuneração mensal limitada a dois salários mínimos (R$ 2.200).

Também é necessário que o requerente esteja inscrito no CadÚnico (cadastro único do governo federal para programas sociais), esteja com CPF regular e que atenda aos critérios de manutenção do BPC (Benefício de Prestação Continuada), incluídos os critérios relativos à renda familiar mensal por pessoa exigida para o acesso ao benefício --de até meio salário mínimo (R$ 550).

Além disso, para receber o novo benefício, é necessário que o solicitante seja titular de Benefício Assistencial à Pessoa com Deficiência suspenso ou cessado há menos de cinco anos da data do pedido do auxílio-inclusão para deficientes, desde que a interrupção tenha ocorrido porque o segurado passou a exercer atividade remunerada.

Nesses casos de quem teve o Benefício Assistencial à Pessoa com Deficiência suspenso ou cessado por ter arrumado um trabalho, será necessário que o requerente passe por nova avaliação para verificar o enquadramento dela nos critérios de miserabilidade.

A portaria também estabelece que o Auxílio-Inclusão à Pessoa com Deficiência independe de carência. Ou seja, o segurado não precisa cumprir uma quantidade mínima de contribuições para ter direito ao benefício. Porém, o pedido será indeferido se o solicitante não for filiado ao RGPS, RPPS ou o exercício da atividade remunerada.

Também haverá indeferimento quando, na data de entrada do pedido, o solicitante estiver com contrato de trabalho suspenso e sem remuneração ou se a pessoa estiver em período de licença não remunerada, "sendo indevido o recebimento do auxílio durante os períodos de afastamento que gerem suspensão ou interrupção do contrato laboral".

O requerente poderá exercer mais de um trabalho, independentemente do regime de previdência ao qual esteja vinculado, desde que a soma das remunerações não ultrapasse o valor de dois salários mínimos.

O texto determina que o Auxílio-Inclusão à Pessoa com Deficiência não pode ser acumulado com o BPC, seguro-desemprego e demais benefícios previdenciários pagos por qualquer regime da previdência.

O Benefício Assistencial à Pessoa com Deficiência poderá ser reativado caso o Auxílio-Inclusão à Pessoa com Deficiência seja suspenso ou cessado, mesmo nos casos de suspensão do contrato de trabalho ou de licença não remunerada. Entretanto, não haverá reativação caso o motivo da interrupção tenha ocorrido por superação da deficiência ou do critério de miserabilidade.

Outra situação que provoca a interrupção no pagamento do Auxílio-Inclusão à Pessoa com Deficiência é quando o beneficiário passar a receber algum benefício por incapacidade temporária, como auxílio-doença ou auxílio-acidente.

Por fim, a portaria também estabelece que o Auxílio-Inclusão à Pessoa com Deficiência não está sujeito a desconto de qualquer contribuição e não gera direito a pagamento de abono anual ou a pensão por morte, além de não integrar o período básico de cálculo de benefícios previdenciários.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos