Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,82
    -0,54 (-1,03%)
     
  • OURO

    1.823,60
    -6,30 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    35.902,38
    -31,79 (-0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    699,78
    -35,37 (-4,81%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.454,59
    -119,27 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.264,17
    -255,01 (-0,89%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -43,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3929
    +0,0003 (+0,00%)
     

Governo de SP adia divulgação de dados da CoronaVac, diz jornal

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Sao Paulo Governor Joao Doria (C), Sao Paulo state Health Secretary Jean Gorinchteyn (L) and Butantan Institute director Dimas Covas (R), pose for photos holding doses of the CoronaVac vaccine against COVID-19 next to a container unloaded from a cargo plane that arrived from China at Guarulhos International Airport in Guarulhos, Sao Paulo state, Brazil, on December 18, 2020. - Brazil received Friday the third lot with 1,900,000 doses of the CoronaVac vaccine, developed by the Chinese laboratory Sinovac Biotech. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
Sao Paulo Governor Joao Doria (C), Sao Paulo state Health Secretary Jean Gorinchteyn (L) and Butantan Institute director Dimas Covas (R), pose for photos holding doses of the CoronaVac vaccine against COVID-19 next to a container unloaded from a cargo plane that arrived from China at Guarulhos International Airport in Guarulhos, Sao Paulo state, Brazil, on December 18, 2020. - Brazil received Friday the third lot with 1,900,000 doses of the CoronaVac vaccine, developed by the Chinese laboratory Sinovac Biotech. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)

O governo de São Paulo não revelará o índice de eficácia da CoronaVac, imunizante produzido em parceria pelo laboratório chinês Sinovac Biotech e o Instituto Butantan, nesta quarta (23), como era previsto. A informação é do jornal Folha de São Paulo.

No entanto, dados obtidos pelo jornal mostram que o imunizante tem eficácia superior a 50%, mínimo exigido para a aprovação de uma vacina, e o pedido de registro à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) será feito.

Leia também:

O adiamento da divulgação dos dados acontece após o Sinovac Biotech pedir o envio da base de dados do Butantan para unificar e equalizar os dados com os ensaios realizados em outros países que testam o imunizante para evitar a divulgação de índices diferentes. O prazo máximo é de 15 dias e não deve interferir no plano do governo estadual de começar a imunização no dia 25 de janeiro de 2021.

Os resultados serão utilizados em um pedido de registro da vacina para a NMPA (Associação Nacional de Produtos Médicos), da China. De acordo com a legislação aprovada em fevereiro por causa da Covid-19, se um fármaco for aprovado em EUA, Europa, Japão ou China, a Anvisa tem três dias para avaliá-lo. Em caso de estouro do prazo sem justificativa teórica, o fármaco é autorizado a ser utilizado no Brasil.

De acordo com dados das duas primeiras fases de testes, conduzidos na China e publicados na revista científica Lancet, a vacina tem capacidade de produzir resposta imune em 97% dos casos. Os testes foram feitos em abril e maio com 744 voluntários saudáveis de 18 a 59 anos e sem histórico de infecção pelo novo coronavírus.