Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.043,69
    -426,57 (-0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Governo da Colômbia começa a reduzir meta de arrecadação em proposta de reforma tributária

·1 minuto de leitura
Protesto contra reforma tributária em Bogotá

BOGOTÁ (Reuters) - O governo da Colômbia reduzirá a receita que espera arrecadar com uma proposta de reforma tributária, num esforço para ganhar apoio suficiente para aprovar a legislação no Congresso, disse o vice-ministro da Fazenda, Juan Alberto Londoño, nesta quarta-feira.

A proposta, que cortaria isenções de tributos sobre vendas e aumentaria impostos de renda, agora buscará levantar entre 18 trilhões e 20 trilhões de pesos (de 4,842 bilhões de dólares a 5,380 bilhões de dólares), disse Londoño.

O plano original apresentado aos parlamentares na semana passada visava levantar um adicional de 23,4 trilhões de pesos (6,29 bilhões de dólares) ao ano, o equivalente a 2% do Produto Interno Bruto (PIB) da Colômbia.

"Estamos buscando um consenso, buscamos maneiras de todos fazerem um pouco mais para tapar o buraco, para ter tranquilidade de que nosso país pode pagar sua dívida e de que nossa população vulnerável não entre numa situação indesejada porque não temos recursos para atender aos programas sociais", disse Londoño à estação de rádio local Caracol.

"De repente o valor se reduz e isso reduzirá os programas sociais no tempo e no tamanho... poderíamos pensar em uma arrecadação entre 18 (trilhões) e 20 trilhões de pesos", disse.

Os principais sindicatos da Colômbia planejam realizar uma greve nesta quarta-feira para protestar contra as medidas, bem como outras políticas do governo.