Mercado fechará em 27 mins
  • BOVESPA

    111.229,21
    -844,34 (-0,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.536,55
    -482,36 (-0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,54
    +0,13 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.931,10
    -11,70 (-0,60%)
     
  • BTC-USD

    24.023,29
    +936,28 (+4,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    549,56
    +4,25 (+0,78%)
     
  • S&P500

    4.181,67
    +62,46 (+1,52%)
     
  • DOW JONES

    33.996,01
    -96,95 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.852,00
    +437,75 (+3,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4754
    -0,0790 (-1,42%)
     

Governo criará conselho para coordenar políticas públicas na mineração, diz ministro

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O governo vai instalar o Conselho Nacional de Política Mineral (CNPM), como forma de melhorar a coordenação e a implementação de políticas públicas destinadas ao desenvolvimento do setor, disse em nota nesta quarta-feira o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.

O objetivo é buscar o aperfeiçoamento dos mecanismos legais de segurança e o desenvolvimento sustentável da atividade, reforçou o ministro.

O conselho, segundo Silveira, terá ainda a participação dos municípios produtores e afetados, bem como da sociedade civil organizada e de instituições acadêmicas com notório conhecimento do setor mineral.

"Nossos recursos naturais servirão ao nosso povo, não o contrário. Eles precisam ser explorados de forma oportuna, responsável, sustentável e racional, de modo que gerem ao nosso povo e às futuras gerações os melhores resultados possíveis", disse.

O ministro não entrou em detalhes sobre como seria a atuação do novo conselho e como seria sua interação com a Agência Nacional de Mineração (ANM).

Nascido em Minas Gerais, Silveira esteve nesta quarta-feira no município mineiro de Brumadinho, para participar de ato em memória dos mortos em rompimento de barragem da Vale, que ocorreu na região em 25 janeiro de 2019.

O colapso da estrutura liberou uma onda gigante de lama, que matou 270 pessoas, além de atingir comunidades, florestas e rios.

Em Belo Horizonte, Silveira também se reuniu com representantes dos poderes estadual e federal e movimentos sociais.

"Vamos investir recursos e esforços na fiscalização ferrenha da segurança de barragens, voltada a impedir que eventos trágicos e lamentáveis como estes voltem a ocorrer", afirmou o ministro, se referindo também ao rompimento de barragem da Samarco -joint venture da Vale com o grupo BHP - em Mariana, em novembro de 2015.

O ministro ressaltou a importância do diálogo com os movimentos sociais, como o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e a Avabrum, associação dos familiares de vítimas e atingidos de Brumadinho, na construção e acompanhamento das políticas públicas do setor.

Na última semana, Silveira recebeu representantes do MAB para uma reunião sobre as ações relacionadas às pessoas impactadas pelos rompimentos de Brumadinho e Mariana.

(Por Marta Nogueira)