Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.710,79
    +1.790,18 (+1,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.229,90
    +294,99 (+0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,83
    +0,12 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.832,70
    +17,00 (+0,94%)
     
  • BTC-USD

    57.987,46
    +2.242,71 (+4,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.496,03
    +60,25 (+4,20%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.706,50
    +108,75 (+0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3545
    -0,0121 (-0,19%)
     

Governo confirma que não haverá Censo do IBGE em 2021

BERNARDO CARAM E THIAGO RESENDE
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Ao sancionar o Orçamento de 2021 nesta quinta (22), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez mais um corte na verba para o Censo demográfico. A tesourada dessa vez foi de R$ 17 milhões. Com isso, os recursos para a pesquisa, que inicialmente eram de R$ 2 bilhões, foram reduzidos para cerca de R$ 50 milhões. Esse é o valor que sobrou para o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) realizar estudos e preparar a pesquisa. O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, confirmou nesta sexta (23) que a pesquisa não será feita neste ano. "Não há previsão orçamentária para o Censo, portanto, ele não se realizará em 2021. As consequências e a gestão para um novo censo serão comunicadas ao longo deste ano", afirmou. Em março, após a decisão do Congresso de cortar a maior parte dos recursos destinados à pesquisa nacional, a presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, pediu exoneração do cargo. Diante do corte, ex-presidentes do instituto também alegaram que um novo adiamento da pesquisa deixaria "o país às cegas". Na época, a verba para o projeto tinha sido reduzida para cerca de R$ 70 milhões. O corte foi feito por congressistas, que têm a prerrogativa de modificar o Orçamento. O movimento do Congresso foi motivado pela busca de recursos para bancar emendas parlamentares --forma que um deputado ou senador tem de enviar dinheiro para projetos e obras em sua base eleitoral. Ainda em março, o IBGE afirmou que a tesourada no orçamento do Censo demográfico poderia inviabilizar a pesquisa, que seria realizada em 2020 mas foi adiada para 2021 devido à pandemia do novo coronavírus. Apesar do alerta, o Congresso aprovou o corte nos recursos da pesquisa. Nesta sexta-feira (23), Bolsonaro publicou a versão final do Orçamento, após sanção com vetos do presidente. Além de chancelar a queda na verba do Censo, Bolsonaro fez mais um tesourada --de R$ 17 milhões. De acordo com especialistas, o adiamento do Censo gera perda de qualidade das políticas sociais, redução na eficiência da distribuição de recursos para os municípios e descompasso nas pesquisas regulares de emprego e renda. Entre os problemas causados pelo atraso está a distribuição de recursos públicos, já que o volume transferido nas cotas dos fundos de participação estaduais e municipais tem por base o número de habitantes de cada local. O número de moradores ajuda a definir, por exemplo, os coeficientes de repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), uma das principais fontes de receita das prefeituras, usado sobretudo para custear a folha de pagamento. Sem a nova contagem da população, as estimativas ficam defasadas.