Mercado abrirá em 3 h 26 min
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,30
    -0,26 (-0,37%)
     
  • OURO

    1.810,80
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    37.765,64
    -789,38 (-2,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    923,48
    -19,96 (-2,12%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.132,06
    +26,34 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.052,50
    +6,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1808
    +0,0153 (+0,25%)
     

Governo concede R$ 1,3 bilhão em investimentos em linhas de transmissão

·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em leilão disputado, o governo concedeu nesta quarta (30) cinco lotes de linhas de transmissão com investimento total de R$ 1,3 bilhão. A concorrência teve deságio médio de 48,12% em relação à receita máxima prevista no edital.

Os lotes leiloados têm 515 quilômetros de linhas no Acre, em Rondônia, no Mato Grosso, em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Tocantins. O governo estima que as obras nas concessões podem gerar até três mil empregos diretos.

"Estamos tendo expansão de linhas de transmissão que são fundamentais para o intercâmbio de energia entre as várias regiões do país, dando mais segurança ao sistema e mais flexibilidade para o operador", disse após a disputa o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Não há, porém, impacto do leilão na condução da crise energética atual, já que os projetos têm prazos de construção estimados entre 26 e 60 meses.

Em seus discursos, Albuquerque fez questão de frisar integração entre os órgãos do setor elétrico e o trabalho de planejamento do setor, dois pontos que vêm sendo questionados em meio à crise energética e o debate sobre a privatização da Eletrobras.

"Esses leilões, tanto de transmissão quanto de geração, são fruto de planejamento", afirmou, citando a EPE (Empresa de Pesquisa Energética) como autora dos estudos, com subsídios do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) e da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

O setor avalia que o trabalho dos três últimos órgãos foi atropelado tanto na condução da crise, que concentra as decisões no MME (Ministério de Minas e Energia), quanto na MP da Eletrobras, que avançou sobre atribuições do planejamento e da operação com aval do governo.

No leilão desta quarta, o governo deu o primeiro passo para reforçar as chamadas "pontas" do sistema elétrico nacional após o apagão que deixou a população do Amapá por 21 dias com fornecimento precário de energia em novembro de 2020.

Um dos lotes licitados reforçará a ligação entre Rondônia e Acre, reduzindo o risco de que os acreanos passem por transtornos semelhantes aos vividos pelos amapaenses. Os dois estados são servidos por um único sistema de transmissão e, por isso, estão mais vulneráveis a incidentes na rede.

Com 395 quilômetros de extensão, a nova linha para o Acre custará R$ 423 milhões e deve ficar pronta em 60 meses. A concessão foi vencida pela EDP Energias do Brasil. Em dezembro, o governo pretende licitar o reforço ao Amapá, em leilão que terá outros cinco lotes de linhas de transmissão.

A MEZ Energia levou dois lotes do leilão desta quarta, um em São Paulo e outro no Mato Grosso, com investimento total de R$ 372 milhões. Energisa e Shangai Shemar venceram os outros lotes, no Tocantins e no Rio, respectivamente.

Com a vitória, a chinesa Shemar estreia no mercado brasileiro de transmissão de energia após derrota em seu primeiro lance em leilão no país, em 2020. Ela deverá investir R$ 420 milhões em uma linha para reforçar o atendimento a municípios da região metropolitana do Rio.

"Atribuímos a competitividade desse processo e a atratividade do leilão ao fato de termos no Brasil um ambiente de regras claras, um ambiente de regras atrativas ao investimento, um ambiente de transparência para o mercado", disse o diretor-geral da Aneel, André Pepitone.

O diretor da Aneel Sandoval Feitosa frisou que o governo conseguiu zerar o estoque de projetos de transmissão que estavam parados por falta de interessados em leilões realizados durante o governo Dilma Rousseff.

Com atrasos em obras importantes o sistema de transmissão enfrenta hoje gargalos que limitam a transferência de energia entre as regiões para socorrer os reservatórios das hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste, que entraram no período seco com níveis alarmantes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos