Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.917,63
    +123,30 (+0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Governo concede 11 lotes de linhas de transmissão com previsão de investimento de R$ 7,3 bi

NICOLA PAMPLONA
·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em leilão com grande concorrência, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) concedeu nesta quinta (17) 11 lotes de linhas de transmissão em nove estados, com investimentos estimados em R$ 7,3 bilhões. O leilão teve deságio médio de 55,24% -nos leilões de transmissão, vence a empresa ou consórcio que se compromete a receber a menor receita anual pela operação das instalações. Ao todo, serão construídos 1,9 mil quilômetros de linhas. "Os sistemas hoje licitados aumentarão a robustez e a confiabilidade do sistema elétrico nacional", disse o presidente da Aneel, André Pepitone, que comemorou a grande concorrência, considerando um ano de dificuldades geradas pela pandemia. Foram 51 participantes, 37 nacionais e o restante de seis diferentes países, disse Pepitone. Em média, houve dez propostas por lote oferecido. Com elevados deságios em suas propostas, a novata MEZ Energia foi a maior vencedora, ficando com 5 dos 11 lotes leiloados por meio dos consórcios Saint Nicholas 1 e 2. A empresa ficou com lotes em São Paulo, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul, todas com deságios entre 50,35% e 70,35%, com investimentos previstos em R$ 2,4 bilhões. A MEZ foi fundada no ano passado para participar de leilão da Aneel, no qual arrematou um lote de linhas de transmissão e subestações na Bahia. Em sua página no Linkedin, a companhia informa ter entre 11 e 50 funcionários. Em entrevista ao fim do leilão, gerente jurídica do grupo MEZ, Kelly Santos, disse que a meta era levar sete concessões, mas a empresa acabou sendo derrotada em duas. Ela disse que a empresa já vem atuando no setor por meio de projetos comprados de vencedores de leilões passados. Ela acrescentou que o grupo tem origem na construção civil e, por isso, tem experiência na execução de projetos do porte de linhas de transmissão. O elevado ágio, afrmou a executiva, foi viabilizado por ganhos de eficiência que a empresa tem usando o braço de construção para executar as obras. "O grande motivador de sucesso da MEZ é uma gestão muito eficiente, tanto financeira quanto de projetos." A empresa diz que pretende buscar recursos tanto no mercado privado quanto com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para financiar os investimentos previstos nas concessões. O maior lote do leilão desta quinta, que prevê a construção de linhas e transmissões na Bahia, em Minas Gerais e no Espírito Santo, foi arrematado pela Neoenergia, empresa controlada pela espanhol Iberdrola, com deságio de 42,60%. O leilão teve três lotes dedicados à ampliação da capacidade de abastecimento da região metropolitana de São Paulo. Em 2021, a Aneel prevê dois leilões de linhas de transmissão. Em junho, a expectativa é de um volume de R$ 1 bilhão em investimentos. Ainda não há previsão para o segundo.