Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.031,98
    +267,72 (+0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.638,36
    -215,01 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,53
    -0,88 (-0,98%)
     
  • OURO

    1.793,60
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    24.082,99
    -138,50 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    571,90
    -18,86 (-3,19%)
     
  • S&P500

    4.297,14
    +16,99 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    33.912,44
    +151,39 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.509,15
    +8,26 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.040,86
    -134,76 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    28.871,78
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.670,50
    -10,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1785
    0,0000 (0,00%)
     

Governo central tem superávit recorde em junho com ganhos extraordinários

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - O governo central registrou em junho um superávit primário de 14,433 bilhões de reais, atingindo nível recorde para o mês em termos nominais com a ajuda de fatores atípicos, como a privatização da Eletrobras, receitas de dividendos e descasamento na quitação de precatórios, divulgou o Tesouro Nacional nesta quinta-feira.

No acumulado de janeiro a junho, houve superávit nas contas públicas de 53,614 bilhões de reais, contra um déficit de 53,568 bilhões de reais em igual período de 2021. Já em 12 meses, o superávit primário é de 75,1 bilhões de reais, equivalente a 0,93% do Produto Interno Bruto (PIB).

Os números reúnem os resultados de Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social --os dois primeiros estão no azul neste ano em 228,2 billhões de reais, melhor resultado da série iniciada em 1997, e compensando o rombo de 171,1 bilhões de reais da Previdência no semestre.

As receitas líquidas do governo central, que excluem as transferências a Estados e municípios, subiram 53,9% em termos reais em junho contra o mesmo mês de 2021, para 190,567 bilhões de reais, enquanto as despesas totais caíram 14,5%, a 176,134 bilhões de reais.

As receitas totais registraram alta real de 16,3% no acumulado do ano, com destaque para o aumento de 55,2% das receitas não-administradas, fortemente concentradas na arrecadação de concessões, dividendos e royalties de petróleo, que têm subido diante da alta da commodity em meio às restrições de oferta trazidas pela guerra na Ucrânia.

No primeiro semestre, o ganho do governo com dividendos ficou 29,0 bilhões de reais acima do observado no mesmo período de 2021, alta de 179,8%. As concessões tiveram acréscimo de 39,1 bilhões de reais, crescimento de 1.834%, impulsionadas pelo ganho de aproximadamente 26 bilhões de reais pela venda da Eletrobras.

Já as despesas totais do governo subiram 1,2% no semestre, puxadas para baixo por uma queda das despesas extraordinárias com enfrentamento à pandemia e dos gastos com precatórios.

Os técnicos do Tesouro também explicaram que o resultado fiscal até o momento está inflado por um descasamento no pagamento dos precatórios pelo governo, com impacto de cerca de 25 bilhões de reais. O repasse, feito no mês de junho em 2021, deve ser feito entre julho e agosto neste ano.

Na última semana, o Ministério da Economia revisou sua projeção para o resultado primário do governo central no encerramento de 2022, melhorando a estimativa de 65,5 bilhões de reais de déficit para um rombo de 59,4 bilhões de reais.

Apesar do número ainda negativo, a equipe econômica conta com novos ganhos extraordinários de arrecadação e uma melhora nas projeções nos próximos meses, chegando ao fim deste ano com resultado primário próximo de zero. Para isso, porém, o governo pediu a estatais que reforcem pagamentos de dividendos ao Tesouro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos