Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    18.953,67
    +59,16 (+0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Déficit primário do governo central cai em setembro, mas ainda é recorde para o mês

Por Gabriel Ponte
·2 minuto de leitura
.
.

Por Gabriel Ponte

BRASÍLIA (Reuters) - O governo central, composto por Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social, registrou um déficit primário de 76,2 bilhões de reais em setembro, o menor rombo desde março, quando as contas públicas ainda não haviam sido afetadas pelo impacto econômico da pandemia da Covid-19, mas o pior resultado para o mês da série do Tesouro.

O déficit do mês, que se compara a um saldo negativo de 20,5 bilhões de reais no mesmo período de 2019, também veio abaixo dos 79,7 bilhões de reais de déficit estimado por analistas, segundo pesquisa Reuters. Em setembro, a receita líquida cresceu 0,4%, em termos reais, na comparação ao mesmo período de 2019, para 106,6 bilhões de reais, informou o Tesouro Nacional nesta quinta-feira.

Já a despesa total aumentou 43,5%, para 182,8 bilhões de reais, no mesmo intervalo de tempo, sob o impacto de gastos de 73,5 bilhões de reais com a execução de medidas para o enfrentamento da crise do coronavírus.

No acumulado dos nove primeiros meses do ano, o rombo nas contas públicas foi de 677,4 bilhões de reais, contra 72,5 bilhões de reais em igual etapa de 2019. Em 12 meses, o déficit primário é de 707 bilhões de reais.

Para o ano, a equipe econômica prevê um déficit primário recorde de 871 bilhões de reais para o governo central, equivalente a 12,1% do PIB.

Em função do estado de calamidade pública, o governo não precisará cumprir em 2020 a meta de déficit primário, de 124,1 bilhões de reais.

SEGUNDA ONDA DA COVID-19

Questionado sobre a situação em que o Brasil se encontraria no caso de uma segunda onda da Covid-19, como a que está sendo vista atualmente na Europa, o secretário do Tesouro, Bruno Funchal, reconheceu que o espaço fiscal para agir é reduzido e defendeu a aprovação de uma cláusula de calamidade na Proposta de Emenda Constitucional do Pacto Federativo que desse maior flexibilidade orçamentária ao governo.

"Ocorrendo uma segunda onda... acho que o ministro mesmo fez uma declaração hoje, da importância do Pacto Federativo (se) tivesse uma cláusula de calamidade que poderia ser acionada tendo essa necessidade. Ou mesmo crédito extraordinário, já é um instrumento que é possível fazer quando você tem esse tipo de situação."

Funchal ressaltou, contudo, a queda na dinâmica de novos casos e mortes pela Covid-19 no país. "Acho que o cenário principal, base, que a gente observa dessas tendências é a gente fazer uma saída da crise e ir voltando ao processo de consolidação fiscal, até porque já se gastou muito, de forma necessária", pontuou.

Sobre a devolução de recursos do BNDES para o Tesouro, o secretário afirmou que, mediante volta da "normalidade" em 2021, esses repasses devem ser retomados, e frisou que eles são importantes para reforçar o colchão da dívida.