Mercado abrirá em 10 mins
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,10
    -0,85 (-1,15%)
     
  • OURO

    1.812,60
    -4,60 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    39.326,66
    -2.326,93 (-5,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    959,59
    +9,69 (+1,02%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.070,64
    +38,34 (+0,55%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.021,50
    +65,75 (+0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1038
    -0,0842 (-1,36%)
     

Governo capta US$ 2,25 bilhões em emissão de títulos no mercado externo

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 21.02.2019: Cédulas de real, moeda oficial brasileira. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 21.02.2019: Cédulas de real, moeda oficial brasileira. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Tesouro Nacional informou ter captado US$ 2,25 bilhões (equivalente a R$ 11,12 bilhões) em uma emissão de títulos públicos no mercado externo nesta terça-feira (29). Na operação, a primeira do tipo neste ano, o retorno aos investidores ficou entre 3,87% ao ano e 4,92% ao ano.

Na emissão desta quarta, foram disponibilizados títulos com vencimento em 2031 e 2050.

As taxas de retorno dos papéis ficaram em 3,875% ao ano para os títulos que vencem em 2030 e 4,925% ao ano para os de 2050. A operação foi liderada pelos bancos Bradesco BBI, Goldman Sachs e HSBC.

O Tesouro informou que o objetivo da operação foi antecipar o financiamento de vencimentos e dar referência às empresas em relação à taxa de juros. A emissão de títulos do governo serve de referencial para o mercado privado.

A última emissão externa do governo brasileiro foi feita em dezembro do ano passado. Na ocasião, foram ofertados títulos a vencer em 2025, com taxa de retorno de 2,2% ao ano, em 2030, com juros de 3,45% ao ano e em 2050, com retorno de 4,5% ao ano. A captação total foi de US$ 2,5 bilhões.

Além da janela de oportunidade para a captação externa, o governo brasileiro também busca recursos para financiar seus gastos.

As despesas explodiram durante a pandemia do novo coronavírus em 2020. Neste ano, mesmo em patamar menor, o governo segue se endividando para implementar ações de enfrentamento à crise sanitária.

Diante da pressão por aumento de gastos com programas sociais e obras públicas, o Tesouro vem ressaltando que a capacidade do governo de emitir dívida tem um limite.

O órgão afirma, no entanto, que não há dificuldade para rolagem da dívida no curto prazo e que são boas as perspectivas para pagamento dos títulos a vencer nos próximos meses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos