Mercado abrirá em 4 hs
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,60
    +0,32 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.832,50
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    56.925,55
    +1.588,70 (+2,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.541,66
    +1.298,98 (+535,27%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.986,04
    +38,05 (+0,55%)
     
  • HANG SENG

    28.231,04
    +217,23 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    13.281,50
    -64,50 (-0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3379
    -0,0075 (-0,12%)
     

Governo britânico vai investigar compra da ARM pela Nvidia

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

O governo britânico está preocupado com questões relacionadas à segurança nacional envolvendo a compra da ARM pela Nvidia. O negócio, anunciado em setembro do ano passado, deve passar por investigação dos órgãos regulatórios do Reino Unido, também, sobre assuntos relacionados à livre concorrência, com a aquisição somente sendo aprovada oficialmente após o fim dos inquéritos.

De acordo com o governo, a ARM é uma companhia líder no segmento dos semicondutores, essenciais para os sistemas de telecomunicações, infraestrutura, segurança e outros aspectos básicos da tecnologia à disposição dos cidadãos. Não caiu muito bem, então, a ideia de que esse controle seria passado a uma corporação americana, principalmente quando se leva em conta que 95% dos smartphones vendidos globalmente possuem chips da empresa.

Isso, também, levou a reclamações e registros formais de concorrentes quanto a um possível monopólio que estaria sendo formado pela aquisição. As investigações relacionadas à segurança nacional são, na realidade, um adendo a um inquérito que já havia sido anunciado pelo governo britânico e sua Autoridade de Competição e Mercados (CMA, na sigla em inglês), órgão antitruste que lidera uma análise sobre o caso.

De acordo com o comunicado oficial, devem ser analisadas questões relacionadas a uma possível mudança na sede da companhia, da cidade de Cambridge, no Reino Unido, para os EUA, assim como a transferência de tecnologia e desenvolvimentos de software que estejam presentes em infraestruturas importantes. Além disso, devem ser atendidas preocupações de empresas como Qualcomm e Samsung quanto a possíveis mudanças no modo de licenciamento de criações da ARM — a empresa não fabrica chips diretamente, mas sim, trabalha no fornecimento de designs e especificações para produção, o que inclui, aliás, a própria Nvidia e seria um dos motivos por trás da aquisição.

Procedimentos semelhantes também estão em andamento na União Europeia e o departamento já disse trabalhar com instituições internacionais que também estão debruçadas sobre a questão, como é o caso da Comissão Federal de Comércio, dos Estados Unidos. O objetivo, segundo a CMA, é garantir que o mercado não seja tomado de produtos de baixa qualidade ou com preços artificialmente mais altos, enquanto a concorrência no segmento de semicondutores é prejudicada.

O relatório resultante da investigação deve ser apresentado pela CMA em julho, e aí, cabe ao secretário de estado Oliver Dowden liberar a aquisição, impor condições de acordo com os achados ou ordenar um inquérito mais profundo sobre pontos específicos. Seu gabinete não se pronunciou sobre a abertura do inquérito. Já a Nvidia disse estar trabalhando de perto com as autoridades do Reino Unido e que não acredita que a compra da ARM envolve riscos para a segurança nacional.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: