Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.197,82
    +967,70 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,75 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,08
    +1,56 (+1,80%)
     
  • OURO

    1.725,50
    -5,00 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    20.024,98
    -317,17 (-1,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,09
    -2,31 (-0,50%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,45 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.630,00
    -10,75 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1325
    -0,0354 (-0,68%)
     

Governo brasileiro sofre novo ataque de ransomware

O governo brasileiro teria sido alvo de um novo ataque de ransomware. Nesta terça-feira (30), o grupo cibercriminoso Everest incluiu em seu site na deep web a informação sobre a intrusão a sistemas não revelados da administração federal, com acesso à rede sendo vendido a terceiros e pelo menos 3 TB de informações internas comprometidas.

A informação foi divulgada por empresas como a Darktracer, do setor de inteligência de ameaças, mas não acompanha maiores detalhes. A própria publicação do grupo, também, não indica quais pastas do governo do Brasil teriam sido comprometidas e o tipo de dados que os responsáveis afirmam ter em mãos.

<em>Publicação da plataforma de inteligência de ameaças DarkTracer, com reprodução de postagem do grupo Everest sobre intrusão à rede do governo federal brasileiro (Imagem: Captura de tela/Canaltech)</em>
Publicação da plataforma de inteligência de ameaças DarkTracer, com reprodução de postagem do grupo Everest sobre intrusão à rede do governo federal brasileiro (Imagem: Captura de tela/Canaltech)

Não é a primeira vez, entretanto, que o grupo Everest aparece nas páginas do noticiário por ataques contra órgãos federais brasileiros. Eles já fizeram ofensivas, inclusive, no Brasil, com o comprometimento de sistemas da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, do Ministério da Economia; governos do Peru, EUA e Argentina também já foram vítimas.

Em dezembro do ano passado, o grupo de segurança digital NCC já citava o Everest como uma ameaça a ser considerada em 2022 pelos seus ataques a setores governamentais. Em relatório, os especialistas apontaram as operações em que há não apenas o travamento e extração dos dados, mas também a comercialização de portas de entrada nos sistemas comprometidos, que podem ficar disponíveis por meses e levar a novos ataques.

Em retorno do Canaltech, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República disse não ter informações oficiais sobre o caso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: