Mercado fechará em 1 h 28 min
  • BOVESPA

    107.566,24
    -3.220,19 (-2,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.958,53
    -339,67 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,74
    -1,68 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.781,30
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    62.921,43
    -3.494,70 (-5,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.489,85
    -44,80 (-2,92%)
     
  • S&P500

    4.536,82
    +0,63 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    35.499,26
    -110,08 (-0,31%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.421,25
    +43,75 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5856
    +0,0660 (+1,01%)
     

Governo Bolsonaro vê quebra de contrato e questiona Butantan sobre venda de Coronavac a estados

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASILIA, DF,  02.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento de autorizações ferroviárias, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 02.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de lançamento de autorizações ferroviárias, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Saúde questionou o Butantan nesta quarta-feira (22) sobre possível quebra de contrato com o governo federal na venda de Coronavac pelo laboratório paulista a cinco estados.

A Saúde argumenta que tem direito a exclusividade na aquisição da Coronavac enquanto o Butantan não entregar as doses contratadas pelo governo Jair Bolsonaro (sem partido).

Técnicos da pasta avaliam que a quebra de contrato pode levar a multa de cerca de R$ 31 milhões. A cifra é 1% do valor do segundo contrato de compra da Coronavac assinado entre o ministério e o Butantan.

O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta quarta a venda de 2,5 milhões de doses da vacina para cinco estados.

O Pará irá receber 1 milhão de doses, Espírito Santo e Mato Grosso contrataram 500 mil doses cada, o Ceará adquiriu 300 mil e o Piauí, 200 mil. As doses serão enviadas a partir do início da próxima semana.

Em nota, o governo paulista disse que já finalzou a entrega das 100 milhões de doses acordadas em dois contratos com o Ministério da Saúde, mas o governo federal discorda.

Isso porque a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) mandou recolher 12 milhões de doses da Coronavac que foram interditadas. Os lotes não poderão ser mais usados no Brasil e a Saúde espera que o laboratório paulista envie novas doses para chegar ao volume do contrato.

"Até que a gente conclua o contrato, o Butantan, sem aval do ministério, não pode comercializar doses com outro país outra unidade da federação. A gente mandou expediente ao Butantan solicitando esclarecimentos", disse o secretário-executivo da Saúde, Rodrigo Cruz, nesta quarta à imprensa.

Em ofício enviado à Fundação Butantan, o diretor de Logística do Ministério da Saúde, general da reserva Ridauto Fernandes, disse que a venda aos estados pode levar a aplicação das "sanções previstas em contrato", "que possuem considerável força".

A Saúde abriu prazo de cinco dias para o laboratório paulista explicar "se está ou não entregando tais vacinas" aos estados.

A reportagem procurou o Butantan na noite desta quarta, mas ainda não recebeu resposta sobre a notificação do Ministério da Saúde.

A cobrança da pasta pode abrir nova disputa entre o governo Bolsonaro e a gestão Doria envolvendo a Coronavac.

Bolsonaro resistiu em negociar a Coronavac e segue desacreditando a eficácia do imunizante.

Em outubro de 2020, ele forçou o então ministro Eduardo Pazuello a recuar de uma promessa de compra da vacina.

"Um manda e outro obedece", justificou o general em vídeo ao lado do mandatário. Bolsonaro chegou a chamar o imunizante de "vacina de João Doria".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos