Mercado fechará em 23 mins
  • BOVESPA

    100.850,04
    +310,21 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.780,22
    +578,41 (+1,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,10
    -1,60 (-3,84%)
     
  • OURO

    1.929,20
    +13,80 (+0,72%)
     
  • BTC-USD

    12.763,76
    +1.706,75 (+15,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,67
    +10,78 (+4,40%)
     
  • S&P500

    3.453,83
    +10,71 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    28.339,09
    +30,30 (+0,11%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.710,75
    +50,00 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6435
    +0,0171 (+0,26%)
     

Após quase 2 anos no poder, Heleno diz que governo Bolsonaro ‘não teve tempo’ de cuidar da Amazônia e do Pantanal

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minutos de leitura
(Andressa Anholete/Getty Images)
(Andressa Anholete/Getty Images)

O general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), afirmou que o governo de Jair Bolsonaro “não teve tempo” para cuidar da Amazônia e do Pantanal, que registram recordes de queimadas desde o início da gestão, há um ano e nove meses.

“Nós sabemos exatamente o que temos que fazer na Amazônia brasileira e no Pantanal, só que não houve tempo ainda de colocar em prática, de colocar gente para fazer isso”, disse Heleno em conversa com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no canal do filho do presidente no YouTube.

Leia também

“Podemos melhorar a vigilância do desmatamento da Amazônia? Podemos, claro, devemos fazer isso. Mas é o que eu digo, o governo Jair Bolsonaro tem um ano e nove meses, não há como resolver todos os problemas do Brasil. Passamos 40 anos tendo uma gestão catastrófica de nossos recursos, inclusive os recursos naturais”, prosseguiu o general.

Heleno também falou que “a Amazônia consegue suportar até os maus tratos que sofreu” e criticou a pressão internacional para a preservação dos biomas brasileiros.

“Nós temos 80% da cobertura florestal da Amazônia preservada. A Europa tinha 7%, hoje tem 0,1%. Mas agora ganharam a condição de nos criticar diariamente, nós somos os ‘grandes vilões’ do meio ambiente no mundo. Mas a América do Sul, graças ao Brasil, hoje reúne 41% das florestas tropicais do planeta. Nós aceitamos as críticas, sabemos que podemos melhorar e vamos melhorar”, declarou o ministro.

O vice-presidente Hamilton Mourão, general da reserva do Exército e ex-comandante de brigadas na Amazônia, preside o Conselho Nacional da Amazônia Legal. Heleno afirmou ao filho de Bolsonaro que as áreas de selva têm poucos habitantes e eleitores: “Durante muito tempo foi considerado não compensador tratar da Amazônia com a seriedade que merece”.

Segundo o ministro, tudo na Amazônia é “muito caro” pelas distâncias, falta de infraestrutura e meios de transporte. Heleno citou que Mourão fez uma “autocrítica sensacional” ao reconhecer que a operação militar Verde Brasil, com orçamento de R$ 60 milhões, deveria ter sido mantida desde o ano passado em vez de interrompida e retomada, o que atrasou o combate às chamas. Mourão quer estendê-la até 2022.

“Esse erro não será repetido, então, podem esperar resultados muito melhores em 2021 com relação à Amazônia”, projetou o chefe do GSI.