Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,88
    +0,90 (+1,22%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    43.932,34
    +1.450,17 (+3,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.096,05
    -7,01 (-0,64%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.286,25
    +37,44 (+0,12%)
     
  • NASDAQ

    15.369,50
    +50,75 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2539
    -0,0017 (-0,03%)
     

Governo Bolsonaro criou condições para tragédia na Cinemateca, diz Walter Salles

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 30.10.2018 - O diretor Walter Salles. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 30.10.2018 - O diretor Walter Salles. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - "O incêndio do galpão da Cinemateca Brasileira é o resultado do desprezo e incompetência de um governo que veio para apagar a nossa memória coletiva, e não para preservá-la", afirmou ao jornal Folha de S.Paulo o cineasta carioca Walter Salles, um dos maiores do cinema brasileiro.

Diretor de filmes que marcaram a história recente do cinema nacional, como "Terra Estrangeira" e "Central do Brasil", Salles chamou o episódio de "desastre" e avaliou que não se trata de "um incidente, e sim da consequência de uma política de Estado".

"Ao afastar o corpo técnico altamente especializado da Cinemateca Brasileira, o governo criou as condições para essa tragédia anunciada."

Segundo os primeiros relatos sobre o incêndio, o fogo teria consumido quatro toneladas de documentos que remontam a história das políticas públicas do cinema brasileiro, desde o Instituto Nacional do Cinema, criado nos anos 1960, até a atual Secretaria Nacional do Audiovisual, passando pelo Conselho Nacional de Cinema e por parte da história da Embrafilme.

"Uma Cinemateca guarda a memória visual de todo um país. É um bem público, que pertence a todos os brasileiros e não a um governo", diz Salles. "Simbolicamente, o incêndio do galpão da Cinemateca Brasileira --e portanto da nossa memória coletiva-- é como o incêndio das terras públicas na Amazônia. Um crime."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos