Mercado fechará em 4 h 33 min
  • BOVESPA

    112.257,15
    -2.171,03 (-1,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.389,14
    -296,89 (-0,56%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,30
    -0,14 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.776,50
    +10,80 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    62.102,03
    +14,23 (+0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.452,79
    -10,56 (-0,72%)
     
  • S&P500

    4.510,06
    +23,60 (+0,53%)
     
  • DOW JONES

    35.385,79
    +127,18 (+0,36%)
     
  • FTSE

    7.209,07
    +5,24 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.347,00
    +56,50 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4645
    +0,0730 (+1,14%)
     

Governo boliviano retira do Congresso lei polêmica contra lucros ilícitos

·1 minuto de leitura
O presidente boliviano Luis Arce (AFP/JORGE BERNAL)

O governo boliviano retirou do Parlamento nesta quinta-feira a polêmica Lei contra a Legitimização de Lucros Ilícitos, após uma onda de críticas ao seu conteúdo e ameaças de protestos convocados por organizações civis a partir da próxima semana.

A ministra da Presidência, María Nela Prada, colaboradora do presidente esquerdista Luis Arce, anunciou em entrevista coletiva que decidiu "retirar o projeto de lei", que se encontrava em fase de discussão no Congresso, controlado pelo governismo. Ela explicou que a decisão política foi tomada para “não dar lugar à desestabilização, à violência e ao confronto".

A oposição de direita havia articulado esta semana uma série de protestos de rua em todo o país contra a lei mencionada, que considerava draconiana. Segundo os opositores, ela permitiria ao governo investigar o patrimônio de qualquer cidadão sem ordem judicial e obrigaria advogados e jornalistas a revelar informações sobre seus clientes e fontes, entre outros aspectos.

Advogados apontaram que, de acordo com o texto proposto, os bens de todos os cidadãos ficariam sob suspeita, indo de encontro à "presunção de inocência", que deveria prevalecer.

O Executivo afirmou diversas vezes que o medo de todos os setores era infundado, embora tivesse se aberto nos últimos dias a chegar a um consenso sobre um novo texto.

jac/lm/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos