Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.300,19
    +1.995,11 (+3,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Governo Biden aponta China como "maior teste geopolítico" para os EUA

Simon Lewis e Humeyra Pamuk
·2 minuto de leitura
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken

Por Simon Lewis e Humeyra Pamuk

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, apontou uma "rivalidade crescente com a China" como o principal desafio que os EUA enfrentam, enquanto seu principal diplomata descreveu o país asiático como "o maior teste geopolítico" deste século.

O governo norte-americano divulgou sua reflexão em um documento de 24 páginas delineando as políticas de segurança nacional de Biden, juntamente com o primeiro grande discurso de política externa do secretário de Estado, Antony Blinken.

"É o único competidor potencialmente capaz de combinar seu poder econômico, diplomático, militar e tecnológico para montar um desafio sustentado a um sistema internacional estável e aberto", informa o documento de segurança nacional sobre a China.

O documento acrescenta que, diante dos desafios de China e Rússia, os militares dos EUA mudarão sua ênfase de "plataformas e sistemas de armas desnecessários para liberar recursos para investimentos" em tecnologias de ponta.

Os Estados Unidos e a China estão em desacordo sobre a influência na região do Indo-Pacífico, as práticas econômicas de Pequim, os direitos humanos na região de Xinjiang, além de Hong Kong e Taiwan. O governo Biden indicou que continuará com uma abordagem dura com relação à China adotada por Trump, mas fará isso em coordenação com aliados.

"Nosso relacionamento com a China será competitivo quando deve ser, colaborativo quando possível e adversário quando precisar ser", disse Blinken em um evento no Departamento de Estado.

Relacionar-se com a China "a partir de uma posição de força", como o governo pretende fazer, "requer defender nossos valores quando direitos humanos forem violados em Xinjiang ou quando a democracia for pisoteada em Hong Kong, porque se não fizermos isso, a China irá agir com impunidade ainda maior", afirmou Blinken.

(Reportagem de Simon Lewis, Humeyra Pamuk, Daphne Psaledakis, Trevor Hunnicutt e Michael Martina)