Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.496,21
    -2.316,66 (-2,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.463,26
    -266,54 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,91
    -0,59 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.760,30
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    21.165,51
    -1.610,84 (-7,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    504,88
    -36,72 (-6,78%)
     
  • S&P500

    4.228,48
    -55,26 (-1,29%)
     
  • DOW JONES

    33.706,74
    -292,30 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.250,00
    -273,25 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1885
    -0,0253 (-0,49%)
     

Governo assina contratos com empresas, que poderão começar a ofertar o 5G

·2 min de leitura

BRASÍLIA — O governo federal assinou nesta terça-feira, em cerimônia no Palácio do Planalto, os contratos com as empresas vencedoras do leilão do 5G. Com isso, as operadoras poderão começar a ofertar a quinta geração de redes móveis a partir de agora. Até junho do próximo ano, todas as capitais do país deverão ter a tecnologia.

De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o leilão movimentou R$ 47,2 bilhões, entre pagamentos ao Tesouro e investimentos obrigatórios.

A licitação, realizada no início de novembro, foi marcada pelo domínio das três maiores empresas de telecomunicações do país (Claro, Tim e Vivo) e entrada de novas companhias para oferecer redes móveis de forma regional.

Os presidentes das três empresas, que dominam o setor no Brasil, porém, não foram ao evento no Palácio do Planalto.

Além de Claro, Tim e Vivo, sete empresas assinaram contratos com o governo. Com os contratos assinados, as empresas podem usar as chamadas faixas de frequência, que são como avenidas por onde trafegam os dados da internet, e oferecer os serviço aos seus clientes.

A duração dos contratos varia conforme a frequência assinada, mas têm em maioria 20 anos.

— É o maior leilão de rádio frequências já feito no mundo. Esse leilão não teve nenhuma ação judicial. O Brasil vai ter R$ 42 bilhões para investir — disse o ministro das Comunicações, Fábio Faria.

A assinatura dos contratos também marca o início da obrigação das empresas vencedoras em realizar investimentos. A decisão de criar investimentos obrigatórios é uma forma de o governo garantir que a tecnologia vai chegar a locais onde não há atratividade econômica.

Além da obrigação de levar o 5G para localidades com menos interesse econômico, as empresas devem levar o 4G para rodovias federais, colocar internet nas escolas públicas e montar uma rede privativa para o governo federal. As exigências variam conforme a frequência arrematada pela empresas no leilão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos