Mercado abrirá em 42 mins
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,15
    -0,48 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.794,40
    +10,10 (+0,57%)
     
  • BTC-USD

    57.667,70
    +2.284,12 (+4,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.484,75
    +79,44 (+5,65%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,34 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.048,56
    +9,26 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.496,50
    +5,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4670
    +0,0401 (+0,62%)
     

Governo arrecada R$ 216 milhões em último dia de leilões de infraestrutura

NICOLA PAMPLONA
·4 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A série de leilões de infraestrutura batizada pelo governo federal de Infra Week terminou nesta sexta (9) com a concessão de cinco terminais portuários por R$ 216 milhões em bônus mais promessa de investimentos de R$ 612 milhões. Nos dias anteriores, o governo concedeu 22 aeroportos e a Fiol (Ferrovia de Integração Oeste-Leste). No acumulado da semana, a arrecadação em bônus somou R$ 3,5 bilhões. Os vencedores dos leilões terão que investir, ao todo, R$ 10 bilhões. Como esperado pelo mercado, a concorrência foi forte apenas nos leilões de aeroportos, que terminaram com ágio médio de 3.822,61%. A ferrovia atraiu apenas um interessado e, nos leilões de terminais portuários, as disputas tiveram, no máximo, dois interessados. "Estamos muito felizes", disse após o leilão o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. "Estamos acabando [a InfraWeek] depois de transferir 28 ativos para iniciativa privada, de fazer 15 reuniões com investidores, depois de contratar R$ 10 bilhões em investimentos e R$ 3,5 bilhões em outorga." O ministro defendeu que o resultado do leilão "mostra que o Brasil tem futuro". Durante a semana de leilões, ele tem repetido os resultados são uma vitória do presidente Jair Bolsonaro e reforçam a agenda liberal do governo. Até o fim do ano, o PPI (Programa de Parcerias e Investimentos) prevê a licitação de outras 99 concessões em diversos setores da economia, além de educação e segurança pública, entre outros. Segundo a secretária do PPI, Martha Seiller, os leilões de 2021 contratarão investimentos de R$ 460 bilhões. Nesta sexta, foram concedidos terminais nos portos de Itaqui, no Maranhão, e de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Três terminais de Itaqui foram arrematados pela Santos Brasil Participações e um pela Ultracargo. A maior disputa no leilão se deu entre Santos Brasil e Ultracargo por um dos terminais do porto de Itaqui. Depois de vencer na oferta inicial, a Santos Brasil foi derrotada na disputa em viva voz, na qual a Ultracargo foi até R$ 59 milhões, 57% o valor de sua proposta inicial. O terminal do Porto de Pelotas foi concedido sem disputa à CMPC Celulose Riograndense por um bônus de outorga de R$ 10 mil. O lance mínimo era de R$ 1. Os terminais do Porto do Itaqui são destinados ao armazenamento de granéis líquidos, como petróleo e combustíveis. Suas áreas possuem oito tanques para armazenamento de derivados de petróleo, a principal carga do porto, movimentando 5,9 milhões de toneladas e com previsão de alcançar 17,9 milhões em 2060. O complexo funciona como um hub de distribuição de combustíveis para as regiões Norte e Nordeste, atendendo Maranhão, Tocantins, Pará e Mato Grosso, além de outros estados próximos por navegação de cabotagem. Já o terminal do Porto de Pelotas tem potencial para a movimentação de toras de madeira. Além dos cinco terminais portuários concedidos nesta sexta, o governo Bolsonaro licitou outras 20 instalações do mesmo tipo em 2019. Segundo o Ministério de Infraestrutura, já foram contratados R$ 10 bilhões no setor, que cresceu 4,2% em 2020, apesar da pandemia. Freitas disse que o interesse pelas concessões é "demonstração inequívoca de que o investidor está realmente mirando o longo prazo". "Essa semana [de leilões] era uma ousadia mas era importante se antecipar e buscar o investimento." Ainda em 2021, o governo pretende fazer a primeira concessão de porto autorizado no país, com o leilão da Codesa (Companhia Docas do Espírito Santo). "Estamos começando com Espírito Santo porque é necessário aprender, para depois a gente fazer Santos. E depois de Santos, podemos fazer qualquer coisa", disse o ministro. Entre os novos leilões previstos pelo Ministério da Infraestrutura para 2021 e 2022, estão as BRs 153 e 163, a Novadutra e outros 16 aeroportos, incluindo Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ), considerados as "joias da coroa" do setor aeroportuário brasileiro. Juntos, esses empreendimentos devem atrair mais R$ 84 bilhões e gerar 2,9 milhões de empregos diretos e indiretos. Deste total, o setor ferroviário deve concentrar R$ 41,6 bilhões em investimentos, seguido pelos terminais portuários (R$ 32 bilhões). O calendário de leilões entrou na propaganda oficial do governo como "o maior programa de concessões de infraestrutura do mundo". "Temos que celebrar nosso encontro com a esperança, nosso encontro com o futuro", afirmou o ministro da Infraestrutura em discurso após o leilão desta sexta.