Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.354,92
    -1.205,92 (-1,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Governo argentino segue sem definir mudanças no ministério em meio a crise após derrota eleitoral

·1 minuto de leitura

BUENOS AIRES (Reuters) - O presidente argentino, Alberto Fernández, permanecia na sexta-feira sem definir mudanças em seu ministério após a forte crise política que a derrota nas eleições primárias provocou na aliança governista no fim de semana.

Enquanto eram esperadas novidades sobre o futuro dos ministros, Fernández participava virtualmente nesta sexta-feira do Fórum das Grandes Economias sobre Energia e Clima (MEF, na sigla em inglês), convocado pelo presidente norte-americano, Joe Biden.

No domingo, a coalizão governista perdeu nas primárias na maioria das províncias argentinas. Se o resultado se repetir nas eleições de meio de mandato em novembro, o governo perderá o controle do Congresso.

Após o revés eleitoral, a coalizão no poder começou a debater planos para aprofundar as políticas populistas ou uma abordagem mais moderada para atrair eleitores de classe média que apoiaram os conservadores da oposição.

“Se o governo tentar expandir ainda mais os gastos públicos no quarto trimestre, poderá encontrar mais inflação e menos empregos privados, em vez dos objetivos almejados”, disse Jorge Vasconcelos, da Fundação Mediterrânea.

Na quarta-feira, vários ministros colocaram seus cargos à disposição de Fernández, o que, segundo fontes oficiais, não foi aceito.

Na noite de quinta-feira, houve declarações cruzadas entre o presidente e sua vice, Cristina Fernández de Kirchner, que em carta pública pediu mudanças nos ministérios.

(Reportagem de Eliana Raszewski e Walter Bianchi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos