Mercado abrirá em 1 h 9 min
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,99
    +0,38 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.844,80
    -6,10 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    31.275,88
    -327,72 (-1,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    628,73
    -11,19 (-1,75%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.638,05
    -15,96 (-0,24%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.542,00
    +56,50 (+0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5096
    -0,0012 (-0,02%)
     

Governo anuncia venda de imóveis da União pela internet

BERNARDO CARAM
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo federal anunciou nesta sexta-feira (24) o lançamento de uma plataforma de venda de imóveis da União pela internet. O novo modelo vai substituir o sistema de certames presenciais. Até o fim deste ano, o Ministério da Economia vai colocar 907 imóveis à venda, incluindo apartamentos, edifícios e lotes. O potencial de arrecadação foi estimado em R$ 1,7 bilhão. A medida foi possível após a aprovação de medida provisória que simplificou as regras de alienação de imóveis do governo federal. Entre janeiro e julho deste ano, o governo vendeu seis imóveis, com receita total de R$ 198 milhões. Está prevista para segunda-feira (27) a publicação do primeiro lote de venda sob o novo modelo, com 109 unidades distribuídas em sete estados e no Distrito Federal. A maior parte está localizada em Mato Grosso do Sul (44), São Paulo (32) e Distrito Federal (20). Interessados em participar dos certames devem se cadastrar no site do Ministério da Economia (imoveis.economia.gov.br). A ideia é que as concorrências sejam feitas às terças e quintas-feiras a partir de setembro. Pelas regras da nova legislação, se a primeira concorrência não receber nenhuma proposta, o governo terá a opção de reduzir o valor da unidade em até 25%. No caso de desinteresse de compradores em uma segunda tentativa, a venda poderá ser direta, sem a necessidade de pregão. Também será permitido que corretores particulares trabalhem para concretizar as vendas. A comissão deve ser negociada com o comprador. "O governo é um grande acumulador de bens. Muitos não têm aplicação social, vão para o abandono ou geram custo para os brasileiros sem dar retorno à sociedade", disse o secretário de Coordenação e Governança do Patrimônio da União, Fernando Bispo. O governo ainda finaliza uma regulamentação para permitir um novo formato de venda. Nele, a pessoa que tem conhecimento de um imóvel sem uso da União pode fazer uma oferta de compra, mesmo que a unidade não esteja anunciada para venda. A partir da proposta, o governo fará avaliações de valor, utilidade e retorno do imóvel para decidir se formaliza a venda.