Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,81
    -0,22 (-0,55%)
     
  • OURO

    1.922,80
    -6,70 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    12.856,47
    +1.799,47 (+16,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    257,27
    +12,38 (+5,06%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.494,95
    -144,51 (-0,61%)
     
  • NASDAQ

    11.624,75
    -66,50 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Governo ajusta na margem projeções fiscais e prevê déficit nominal de 17,2% do PIB em 2020

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - A equipe econômica divulgou nesta segunda-feira novas projeções fiscais para 2020, ajustando na margem suas expectativas e passando a prever um déficit nominal de 17,2% do Produto Interno Bruto (PIB), frente a 17% antes.

A perspectiva agora é de que haja um rombo primário de 871 bilhões de reais para o governo central (12,1% do PIB) este ano, e de 895,8 bilhões de reais para o setor público consolidado (12,5% do PIB).

Em 4 de setembro, esses déficits haviam sido calculados em 12,1% e 12,4% do PIB, respectivamente.

Os dados foram apresentados pelo secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, em audiência pública no Congresso.

Considerando uma retração do PIB de 4,7% este ano, premissa que foi mantida do início do mês para cá, a estimativa é de que a dívida bruta suba a 93,9% em 2020 (94,6% antes), e que a dívida líquida vá a 67,8% do PIB (67,9% antes).

Waldery voltou a reforçar que é importante circunscrever os gastos extraordinários a este ano, e retomar a agenda de reformas. Segundo o secretário, o envio de uma nova perna da reforma tributária aos parlamentares será feito em breve, após deliberação do ministro da Economia, Paulo Guedes.

(Por Marcela Ayres)