Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.701,24
    +1.550,05 (+3,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Governo ainda não decidiu se venda da Eletrobras será por MP ou projeto, diz ministro

DANIELLE BRANT
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo federal ainda está definindo com o Congresso se a privatização da Eletrobras será via projeto de lei ou por meio de uma medida provisória, que teria efeito imediato após a edição, mas também precisaria ser aprovada em até 120 dias para não caducar. A informação foi dada nesta segunda-feira (8) pelo ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) ao deixar uma reunião com o novo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). O ministro diz ter reforçado ao deputado a importância de aprovar em definitivo o novo marco legal do gás, prioridade do governo federal. "O outro projeto que conversamos também é em relação à Eletrobras. Coloquei o Ministério de Minas e Energia à disposição da Câmara dos Deputados para que a gente possa ter uma tramitação mais célere possível nesses projetos prioritários do governo", disse. Bento Albuquerque afirmou, então, que o governo ainda não bateu o martelo se a privatização da estatal será por projeto de lei, como o que tramita no Senado, ou por medida provisória. "Vamos decidir isso com o Congresso Nacional, se mantém o projeto de lei ou se o governo encaminha uma medida provisória que está sendo avaliada já durante alguns meses", afirmou. A privatização da Eletrobras tem se mostrado um dos desafios do presidente Jair Bolsonaro desde que o governo encaminhou ao Congresso, em novembro de 2019, um projeto de lei para tentar vender a empresa. A Eletrobras é responsável pela operação de cerca de um terço da capacidade de geração e metade da rede de transmissão de energia do Brasil. A dificuldade em vender a estatal levou o então presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, a renunciar ao cargo, no fim de janeiro. Ele continuará à frente da empresa até o dia 5 de março. Ao deixar o posto, Ferreira Junior afirmou que a privatização da empresa é prioridade do governo federal, mas que essa vontade não é suficiente sem o apoio do Congresso. Nesta segunda, Bento Albuquerque também falou que o governo deve encaminhar ainda nesta semana um projeto de lei que muda a tributação de combustíveis. Na última sexta, Bolsonaro havia dito que tinha intenção de mudar a cobrança de ICMS (imposto estadual). A intenção é que o ICMS seja cobrado sobre o preço nas refinarias, e não nos postos de gasolina. "Caso seja juridicamente possível, apresentaremos na próxima semana, fazendo com que o ICMS venha a incidir sobre o preço do combustível nas refinarias. E quem vai definir esse percentual? Serão as respectivas assembleias legislativas", afirmou Bolsonaro. A ideia do governo é compensar a alta no preço dos combustíveis, que tem levado a movimentos grevistas de caminhoneiros --na última semana, um ato marcado por parte da categoria teve baixa adesão. Segundo Bolsonaro, o projeto busca dar mais previsibilidade aos valores cobrados. "Pretendemos fazer um projeto de lei complementar a ser apresentado ao Parlamento de forma que a previsibilidade do ICMS se faça presente, assim como o PIS/Cofins, onde temos um valor fixo para o preço do litro de R$ 0,35", disse. O preço do combustível nas refinarias, etapa anterior à chegada do produto aos postos de gasolina, é mais baixo. "Se o estado está arrecadando 'X' por litro de combustível usando uma metodologia, vai arrecadar com nossa proposta 'menos X' por outra metodologia", afirmou Bolsonaro.