Mercado abrirá em 1 h 5 min
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,95
    -1,00 (-1,35%)
     
  • OURO

    1.811,30
    -5,90 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    39.567,84
    -2.022,17 (-4,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    964,37
    +14,47 (+1,52%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.086,37
    +54,07 (+0,77%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.025,50
    +69,75 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1960
    +0,0080 (+0,13%)
     

Governo é o principal alvo de ataques cibernéticos no Brasil, revela análise

·1 minuto de leitura

Com a pandemia e o isolamento social decorrente dela, muitas pessoas intensificaram seu uso da internet e dos meios digitais. A tendência também foi seguida pelos criminosos, que intensificaram suas atividades para aproveitar as vulnerabilidades geradas pelo trabalho remoto e por campanhas como a do Auxílio Emergencial, no caso brasileiro.

Segundo um estudo conduzido pela Trend Micro, a maioria dos ataques no Brasil se concentrou em prejudicar entidades ligadas ao governo (35,3%). Em seguida, os principais alvos foram o setor da manufatura (9,7%) e da saúde (9,2%) em uma tendência que destoou um pouco dos números globais.

Em uma escala mundial, a maioria dos ataques detectados durante o ano de 2020 se concentraram no setor da manufatura (13,9%), seguido pelo órgãos governamentais (13,9%), educação (10%) e saúde (9,6%). Somente no ano passado, os setores somados foram responsáveis por mais de 1,4 milhão de detecções.

De janeiro a maio de 2021, foram registrados 5 milhões e meio de ataques contra empresas que usam as plataformas de proteção da Trend Micro. No Brasil, o setor mais atingido continua sendo o governo (35,7% dos casos), enquanto o setor da manufatura continua liderando o cenário mundial de ataques (20,6%).

Imagem: Divulgação/Trend Micro
Imagem: Divulgação/Trend Micro

Além de ter obrigado muitas empresas a adotar o sistema de home office, a COVID-19 também foi usada como isca para a realização de crimes virtuais. Segundo a Trend Micro, em 2020 foram registradas mais de 16 milhões de ameaças relacionadas à pandemia, sendo que 90% delas estavam relacionadas a spam — 60% delas tiveram origem em países como Estados Unidos, Alemanha e França.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos