Mercado abrirá em 1 h 48 min
  • BOVESPA

    113.583,01
    +300,34 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.598,53
    +492,82 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,13
    +0,68 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.732,50
    -19,50 (-1,11%)
     
  • BTC-USD

    41.923,79
    -1.795,47 (-4,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.040,00
    -61,52 (-5,58%)
     
  • S&P500

    4.443,11
    -12,37 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.869,37
    +71,37 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.039,01
    -24,39 (-0,35%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.966,75
    -228,00 (-1,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2871
    -0,0197 (-0,31%)
     

Governistas e opositores se enfrentam em manifestações contra o governo na Bolívia

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O ex-presidente da Bolívia Evo Morales

Confrontos com pedras e pedaços de pau entre governistas e opositores foram registrados nesta quinta-feira durante protestos na Bolívia contra o encerramento de uma investigação de fraude eleitoral em 2019 envolvendo o ex-presidente Evo Morales.

Em uma avenida central de La Paz, militantes do governante Movimento ao Socialismo (MAS) enfrentaram opositores e grupos de cidadãos que haviam convocado uma passeata contra o governo de Luis Arce. “Aqui atiram pedras, os governistas me atingiram", disse o deputado opositor Alberto Astorga, enquanto exibia na TV a cabeça ensanguentada.

Astorga apontou como agressor o líder do MAS Gustavo Torrico, que respondeu: "Se você me agride, eu te agrido, simplesmente me defendo."

Em vídeos caseiros publicados nas redes sociais, os dois lados são vistos se enfrentando com pedaços de pau, socos e chutes, até a intervenção da polícia.

Em outras cidades da Bolívia, como Cochabamba (centro) e Santa Cruz (leste), houve passeatas pacíficas e manifestações reunindo milhares de pessoas. Em Santa Cruz, reduto da direita, Rómulo Calvo, líder do conglomerado empresarial e político Comitê Cívico, disse que não permitiriam "que seja encerrado o caso de fraude eleitoral".

Na semana passada, o procurador-geral, Juan Lanchipa, destacou em relatório que não houve provas de manipulação das eleições de outubro de 2019 em favor de Morales, como havia denunciado a oposição, a qual acusa Lanchipa de estar a serviço de Morales, que renunciou em novembro daquele ano, após 14 anos no poder.

jac/ll/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos