Mercado fechará em 4 h 12 min
  • BOVESPA

    115.695,35
    +27,57 (+0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.606,50
    +455,12 (+1,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,04
    -0,18 (-0,28%)
     
  • OURO

    1.772,70
    -25,20 (-1,40%)
     
  • BTC-USD

    50.965,34
    +1.840,54 (+3,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.020,12
    +25,45 (+2,56%)
     
  • S&P500

    3.886,71
    -38,72 (-0,99%)
     
  • DOW JONES

    31.773,28
    -188,58 (-0,59%)
     
  • FTSE

    6.661,87
    +2,90 (+0,04%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.107,00
    -195,00 (-1,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7175
    +0,1470 (+2,24%)
     

Governantes militares de Mianmar ordenam bloqueio de Twitter e Instagram

Fanny Potkin
·1 minuto de leitura
Illustration of 3D printed Facebook and Twitter logos on a computer motherboard

Por Fanny Potkin

CINGAPURA (Reuters) - Os novos governantes militares de Mianmar ordenaram nesta sexta-feira que operadoras móveis e provedores de serviços de internet bloqueiem o acesso ao Twitter e ao Instagram no país até "novo aviso", disse a operadora de telecomunicações norueguesa Telenor.

O governo já havia ordenado aos provedores de internet na véspera que bloqueassem o Facebook, que conta com metade da população de 54 milhões como usuários, até 7 de fevereiro.

O Ministério das Comunicações e Tecnologia da Informação não respondeu de imediato a um pedido de comentário, mas disse anteriormente que bloqueou o Facebook por uma questão de "estabilidade". O Twitter, que também enfrenta pressão de autoridades indianas, não respondeu de imediato aos pedidos de comentários.

Um porta-voz do Facebook confirmou o bloqueio no Instagram.

"Instamos as autoridades a restaurar a conectividade para que as pessoas em Mianmar possam se comunicar com familiares e amigos e acessar informações importantes", disse a empresa.

Em comunicado, a Telenor expressou "grande preocupação" sobre a diretriz e disse que questionou sua necessidade junto às autoridades.

Desde a proibição do Facebook, milhares de pessoas em Mianmar se reuniram no Twitter e no Instagram para expressar sua oposição à ação do Exército e à destituição e prisão da líder eleita Aung San Suu Kyi.

Muitas pessoas têm usado as mídias sociais e hashtags pró-democracia para criticar a ação do Exército e convocar protestos pacíficos até que o resultado da eleição de novembro, vencida de forma esmagadora pelo partido de Suu Kyi, seja respeitado.

Os militares fizeram afirmações infundadas de que a eleição de Suu Kyi e sua Liga Nacional para a Democracia foi fraudulenta. A comissão eleitoral disse que a votação foi justa.