Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.872,00
    +31,80 (+1,73%)
     
  • BTC-USD

    35.058,54
    +658,57 (+1,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    694,90
    -5,71 (-0,82%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.290,50
    +305,00 (+2,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4055
    -0,0931 (-1,43%)
     

Governadores de Califórnia e NY avaliam retomar medidas duras para conter alta da Covid-19

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os governadores da Califórnia e de Nova York, nos Estados Unidos, disseram na segunda-feira (30) que consideram decretar novas restrições à circulação, para frear o espalhamento do coronavírus. Gavin Newsom, governador da Califórnia, afirmou que poderá retomar a ordem para que as pessoas fiquem em casa, como foi determinado no primeiro semestre. E que a capacidade das UTIs deverá se esgotar até meados de dezembro, caso a expansão do vírus não seja contida. Na semana passada, Newsom determinou um toque de recolher que impede reuniões sociais entre 22h e 5h, todos os dias. Em Nova York, o governador Andrew Cuomo afirmou que, se o nível de ocupação dos hospitais atingir a situação de superlotação, ele poderá impor mais medidas de restrição à circulação, mas de modo localizado. Atualmente, há cerca de 30 áreas no estado sob ordem de limitações de atividades, incluindo os cinco distritos que formam a cidade de Nova York. Houve mais de 3.500 internações devido à Covid no fim de semana no estado de NY, número que não era registrado desde maio. "Não vamos viver o pesadelo de hospitais sobrecarregados de novo", disse Cuomo.