Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.911,47
    -823,54 (-0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.898,84
    -121,21 (-0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,82
    +1,32 (+1,60%)
     
  • OURO

    1.794,40
    +12,50 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    60.397,17
    -2.903,70 (-4,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.440,85
    -62,18 (-4,14%)
     
  • S&P500

    4.543,51
    -6,27 (-0,14%)
     
  • DOW JONES

    35.671,76
    +68,68 (+0,19%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.338,25
    -140,50 (-0,91%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5544
    -0,0266 (-0,40%)
     

Governadores de 19 Estados e DF rebatem Bolsonaro e negam aumento do ICMS sobre combustíveis

·1 minuto de leitura
Frentista coloca combustível em veículo em posto no Rio de Janeiro

BRASÍLIA (Reuters) - Em uma manifestação conjunta que rebate o presidente Jair Bolsonaro, governadores de 19 Estados e do Distrito Federal divulgaram uma carta em que afirmam que nenhum dos governantes regionais aumentou o ICMS sobre combustíveis nos últimos 12 meses, apesar de o preço da gasolina ter subido mais de 40% no período.

"Os governadores dos entes federados brasileiros signatários vêm a público esclarecer que, nos últimos 12 meses, o preço da gasolina registrou um aumento superior a 40%, embora nenhum Estado tenha aumentado o ICMS incidente sobre os combustíveis ao longo desse período", disse a carta.

"Essa é a maior prova de que se trata de um problema nacional, e, não somente, de uma unidade federativa. Falar a verdade é o primeiro passo para resolver um problema."

Subscrevem a carta, entre outros, governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e da Bahia, Rui Costa (PT).

Há meses, mesmo sem provas, Bolsonaro tem tido embates com os Estados e procurado responsabilizar os governadores pelo alto preço dos combustíveis no país, devido ao peso do imposto na composição do preço.

O presidente enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei para que o ICMS que incide sobre os combustíveis tenha um valor fixo nos Estados. A proposta, entretanto, pouco avançou no Legislativo.

No início do mês, Bolsonaro recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar o Congresso a legislar sobre o tema.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu e Ricardo Brito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos