Mercado fechado

Governador do Rio Grande do Sul diz que estado vive 2ª onda de Covid-19

PAULA SPERB
·2 minuto de leitura
****ARQUIVO***PORTO ALEGRE, RS, 10.10.2019: Entrevista com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). (Foto: Marcos Nageslstein/Folhapress)
****ARQUIVO***PORTO ALEGRE, RS, 10.10.2019: Entrevista com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). (Foto: Marcos Nageslstein/Folhapress)

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - O governador gaúcho, Eduardo Leite (PSDB), afirmou nesta sexta-feira (27) que o Rio Grande do Sul está vivendo uma segunda onda de Covid-19. A declaração foi dada ao anunciar o mapa de risco do estado.

Segundo o mapa preliminar, todas regiões do estado estão sob a bandeira vermelha, ou seja, risco alto para a doença. Os municípios podem recorrer da classificação, que passa a valer na próxima terça-feira (1º) após a análise dos recursos.

"É um alerta que se apresenta para o nosso estado, na mesma direção do que está acontecendo em outros estados do Brasil. Estamos, de fato, vivendo uma segunda onda de coronavírus aqui no Rio Grande do Sul, como outras regiões estão vivendo", disse o governador.

Na última semana, houve um aumento de 26% de internações em SP por Covid-19, um indicador importante para indicar a direção da epidemia. A taxa de ocupação de leitos de UTI, que permaneceu por semanas consistentemente abaixo de 43%, atingiu nesta semana 47,4% no estado e 55,2% na Grande São Paulo.

No Rio de Janeiro, os sistemas de saúde público e privado estão pela segunda vez à beira de um colapso, fazendo médicos e enfermeiros temerem os dias de desespero que viveram em abril e maio.

Leite pediu que os gaúchos evitem aglomerações e contatos desnecessários. O governador anunciou que se reunirá com representantes dos municípios para adotar protocolos para a "economia continuar girando", mas também chamando todos à responsabilidade para que evitemos o agravamento desta situação".

"Estamos chegando ao final do ano, período no qual as pessoas gostam de se reunir, de confraternizar, de fazer o popular amigo secreto. Se tem amigo secreto, tem um inimigo bem conhecido, invisível, que é o coronavírus", disse.

Segundo o governo, o estado está no pior momento da pandemia --com 1.177 pacientes hospitalizados e 770 internados em UTIs-- e com o menor número de leitos livres desde maio, quando iniciou o modelo de distanciamento controlado.

O Rio Grande do Sul registrou até agora 6.725 mortes por Covid-19 e 311.12 casos confirmados, e 80,8% dos leitos de UTI estão ocupados até esta sexta. Todas as 497 cidades gaúchas registraram casos da doença.

Porto Alegre registrou 1.511 mortes, 55.772 casos confirmados e ocupação de 89,13% dos leitos até a última sexta-feira.