Mercado fechará em 6 h 32 min
  • BOVESPA

    120.773,17
    +711,18 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,86
    +0,51 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.785,50
    -7,60 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    55.140,68
    -70,99 (-0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.285,18
    +22,22 (+1,76%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.915,34
    +20,05 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.912,00
    -7,25 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6031
    -0,0989 (-1,48%)
     

Governador do Piauí rebate Bolsonaro, reclama de paralisação de auxílio e diz que fome não tira férias

CAMILA MATTOSO
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* FORTALEZA - CE - 22.03.2018  - Wellington Dias, governador do Piauí. (Foto: Keiny Andrade/Folhapress)
*ARQUIVO* FORTALEZA - CE - 22.03.2018 - Wellington Dias, governador do Piauí. (Foto: Keiny Andrade/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), rebateu as últimas declarações de Jair Bolsonaro, que relacionou, de novo, medidas restritivas à situação financeira da população.

O presidente disse que a "fome está batendo cada vez mais forte".

Em vídeo gravado, Dias afirmou o governo federal deixou de pagar o auxílio emergencial quando a pandemia se agravou.

"A pandemia acabou? Claro que não. Aliás, piorou. [...] Vejam, o governo federal, em 2020, pagava R$ 600 de auxílio emergencial para proteger os mais pobres. Que maravilha. Depois, passou a pagar R$ 300. Em dezembro, parou de pagar", afirmou o governador.

"E parou por quê? Se a pandemia prosseguiu. Claro que a fome chegou. A fome não tira férias. A fome não estava de férias em janeiro, fevereiro e março. As pessoas não só ficaram com fome como também sem dinheiro para comprar remédios, necessidades básicas. Assim como parou o auxílio emergencial, parou também o apoio a micro e pequenos emprendedores, autônomos, artistas, esportistas. Há necessidade desse atendimento e é isso que defendemos, como fazem outros países", completou.