Mercado fechado

Governador do Piauí diz estar preocupado com retirada de estímulos da economia

·1 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO***FORTALEZA - CE - 22.03.2018 - Seminário Folha - O FUTURO DO NORDESTE - MESA 2 - A produção industrial do Nordeste - Tania Oberding, diretora da BASF, e Wellington Dias, governador do Piauí, debatem no forum sobre o Futuro do Nordeste, em Fortaleza. (FOTO: KEINY ANDRADE/FOLHAPRESS)
***FOTO DE ARQUIVO***FORTALEZA - CE - 22.03.2018 - Seminário Folha - O FUTURO DO NORDESTE - MESA 2 - A produção industrial do Nordeste - Tania Oberding, diretora da BASF, e Wellington Dias, governador do Piauí, debatem no forum sobre o Futuro do Nordeste, em Fortaleza. (FOTO: KEINY ANDRADE/FOLHAPRESS)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), enviou carta neste domingo (20) a colegas do Fórum dos Governadores sugerindo a criação de um plano para a economia.

Liderança informal dos governadores do Nordeste, Dias disse estar preocupado com os efeitos da retirada dos estímulos públicos, como a redução do auxílio emergencial à metade, o fim dos repasses extraordinários para estados e municípios e dos incentivos para evitar demissões no setor privado.

Segundo ele, há risco de uma onda de queda do consumo, gerando “demissão generalizada” e pobreza.

“À exceção de alguns setores como alimentos e exportação, teremos forte queda na economia e varejo com efeitos já a partir de outubro, piorando até início do próximo ano", analisa.

O governador quer reunir líderes de estados e prefeitos, além de secretários estaduais de fazenda, para analisar o cenário das receitas estaduais e municipais até o fim do ano. E defende um "impulso do setor público".

"Não defendendo que a União sustente Estados e municípios por tempo indeterminado, mas devemos ter um plano de medidas anticíclicas permanente, que ajude e encoraje o setor privado a manter e ampliar os investimentos existentes", afirma ele na carta. "Outros países estão fazendo isto, vejam situação da Índia, não tem outro caminho".