Mercado abrirá em 8 h 52 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,48
    +0,09 (+0,24%)
     
  • OURO

    1.878,00
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.209,20
    -8,09 (-0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,40
    -11,29 (-4,14%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.414,74
    -294,06 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    23.261,98
    -156,53 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    11.231,50
    +98,75 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7356
    +0,0012 (+0,02%)
     

Governador em exercício do RJ anuncia novos secretários de Saúde e Educação

Alessandra Saraiva
·3 minutos de leitura

O médico Carlos Alberto Chaves de Carvalho assumirá a Secretaria de Saúde e o professor Comte Bittencourt assume a Secretaria de Educação O governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), anunciou nesta sexta-feira (25) os novos nomes das secretarias de Saúde e de Educação. O médico Carlos Alberto Chaves de Carvalho assumirá a Saúde no lugar de Alex Bousquet, que entregou o cargo este mês. Já o professor Comte Bittencourt assume a Secretaria de Educação. O antigo titular, Pedro Fernandes, foi preso este mês na "Operação Catarata", do Ministério Público estadual (MPRJ), que investiga supostos desvios em contratos de assistência social no governo do Estado. Carvalho é médico pneumologista e passou pela direção dos hospitais estaduais Getúlio Vargas, Adão Pereira Nunes, Eduardo Rabelo e João Batista Cáffaro. Bittencourt foi secretário de Educação e vice-prefeito do município de Niterói. Os novos nomes são mais dois de uma série de modificações promovidas por Castro no secretariado fluminense este mês. Entre a semana dos dias 14 e 18 de setembro, ele anunciou seis mudanças de nomes no comando de secretarias do governo do Rio. Em meados de setembro, foram anunciadas as saídas do empresário filiado ao PSL Leonardo Rodrigues, da Ciência e Tecnologia, e do consultor financeiro Juarez Fialho, da pasta de Cidades e do comando interino da pasta de Trabalho e Renda. Com as mudanças, a pasta de Ciência e Tecnologia ficou com a professora universitária Maria Isabel de Castro de Souza. O engenheiro Uruan Cintra de Andrade assumiu a Secretaria de Cidades, e também responde interinamente pela Secretaria de Estado de Trabalho e Renda. Rodrigues e Fialho foram citados em colaboração de Edmar Almeida Santos, ex-secretário de Saúde do governador eleito e afastado Wilson Witzel (PSC). Santos foi preso em julho por suspeita de desvios de recursos públicos na área da Saúde, durante a pandemia. Vice-governador eleito, Castro assumiu o comando do Estado do Rio após afastamento de Witzel, autorizado no âmbito da operação "Tris in Idem" desdobramento da operação "Placebo", da PF, que investiga possíveis suspeitas de corrupção em contratos públicos do Executivo fluminense. Informações concedidas por Santos, em delação premiada à Justiça, foram usadas para compor embasamento da operação. Segurança pública Castro tem feito alterações no secretariado desde que assumiu o cargo em 28 de agosto, quando Witzel foi afastado por 180 dias, no âmbito de operação da PF. Antes de Rodrigues e Fialho, o governador em exercício já tinha anunciado quatro outras substituições, focadas na área de segurança pública. Na Polícia Civil, que estava sob o comando do delegado Flávio Brito, assumiu Allan Turnowski. Na Procuradoria-Geral do Estado, Bruno Dubeux substitui Reinaldo Silveira. Já a Controladoria-Geral do Estado, antes liderada por Hormindo Bicudo Neto, está sendo comandada, agora, por Francisco Ricardo Soares. O delegado federal Marcelo Bertolucci, por sua vez, assumiu o Gabinete de Segurança Institucional, até então chefiado pelo contra-almirante José Luiz Corrêa. Esta semana, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) autorizou o prosseguimento do processo de impeachment de Witzel, por suspeita de envolvimento de esquema de corrupção e desvio de verbas do cofre fluminense. Witzel nega as irregularidades.