Mercado fechado

Traficante ordenou morte de motoristas após mãe ter corrida cancelada no app, diz governador da BA

Rui Costa (PT), governador da Bahia - Foto: Manu Dias/GOVBA

O governador da Bahia afirmou em coletiva realizada nesta terça-feira (17) que os quatro assassinatos de motoristas por aplicativos, ocorridos na última sexta-feira (13), foram ordenados por um traficante, que estaria irritado depois que sua mãe teve uma corrida cancelada.

"O traficante mandou matar as pessoas porque foi cancelada uma chamada. Porque a mãe dele chamou, e o Uber cancelou a chamada. E ele mandou executar as pessoas", afirmou Rui Costa.

Leia também

A Polícia Civil alega que essa é uma das hipóteses levantadas pelas investigações, mas que o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) ainda não concluiu a apuração.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) disse que o suspeito de ser mandante da chacina, identificado como Jeferson Palmeira Soares Santos, foi encontrado morto na BR-525. O corpo dele tinha marcas de tiros. Além disso, as mãos e o pescoço estavam amarrados.

No mesmo dia da chacina, outros dois suspeitos do crime morreram em confronto com policiais militares, em Lauro de Freitas, região metropolitana da capital.

Apenas um homem sobreviveu a ação dos criminosos. Em entrevista à TV Bahia, ele relatou o terror da ação dos criminosos e diz que não consegue dormir por conta do trauma. O sobrevivente disse que pediu pra não ser ser morto e falou do momento em que foi torturado.

Ele conseguiu salvar sua vida depois que uma das vítimas lutou com os suspeitos e deu uma chance de fuga.

O relato do sobrevivente sobre a frieza dos criminosos assusta. “Irmão, por quê? Eu sempre trabalhei de Uber, não discrimino quem quer que seja. E teve o Coroa [apelido de um dos criminosos] que me respondeu: "Mataram toda minha família e eu vou matar vocês. A todo momento eu percebia que eles tinham a intenção só de matar. Porque eles deixavam ver o rosto deles. Diziam: Olhe pra mim. Olhe pra mim, que você vai pro inferno primeiro e depois, num dia, a gente se encontra lá na frente".