Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.466,44
    +8,56 (+0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Gordura visceral gera doenças cardiovasculares; saiba quais alimentos evitar

Especialistas alertam que a gordura visceral (popularmente conhecida como gordura abdominal, é a aquela que se acumula na cavidade do abdômen, abaixo dos músculos, perto das vísceras) está associada com o maior risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, principalmente infarto e aterosclerose, diabetes tipo 2, insuficiência hepática, pressão alta, resistência à insulina, baixa qualidade do sono e altos níveis do hormônio do estresse, o cortisol.

De acordo com o médico pós graduando em nutrologia, dr. Hugo Gatto, o acúmulo dessa gordura desencadeia o aumento do peso e da circunferência abdominal, o que diminui a qualidade de vida e favorece o surgimento de diversos problemas de saúde.

O especialista explica, ainda, que o acúmulo de gordura visceral acontece devido a uma alimentação rica em farináceos, açúcar, gorduras saturadas, alimentos ultra processados e excesso calórico, além da falta da prática de exercícios físicos regulares.

Isso significa, segundo Gatto, que a redução da gordura visceral está totalmente ligada a diminuição de riscos à saúde. A recomendação, portanto, envolve a mudança de hábitos de vida, através de uma alimentação equilibrada em proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e minerais, em conjunto a exercícios físicos regulares.

A perda dessa gordura se mostra como fundamental para manter a saúde e o bom funcionamento do organismo, mas vale entender que nenhum alimento isolado causa o quadro, mas sim o excesso no consumo desses alimentos em conjunto com os hábitos de vida.

Gordura visceral pode ajudar a gerar doenças cardiovasculares (Imagem: Robina Weermeijer/Unsplash)
Gordura visceral pode ajudar a gerar doenças cardiovasculares (Imagem: Robina Weermeijer/Unsplash)

Alimentos que se deve evitar para não acumular gordura visceral

O médico recomenda evitar, em especial, alimentos como: salgadinhos, ultraprocessados congelados, embutidos e ultraprocessados em geral. Isso se dá pelo fato de que são escolhas alimentares pouco saudáveis. No caso dos salgadinhos, são ricos em calorias e gorduras saturadas, além de sódio e outros aditivos, e a ingestão aumenta o risco de diabetes tipo 2 e doenças cardíacas.

Já as refeições congeladas, como pizza, hambúrgueres, nuggets e lasanha, são ricas em calorias, sódio e gordura saturada, que contribuem para o ganho de peso e eleva os riscos de problemas de saúde. Por sua vez, alimentos embutidos possuem alto teor de sódio e conservantes.

O médico aponta que bolacha recheada, macarrão instantâneo, refrigerantes, doces entre outros, são alimentos que possuem alto teor de gordura saturada e trans, além de açúcares, e são capazes de aumentar o colesterol ruim e diminuir o bom.

Descobertas da ciência sobre gordura visceral

A gordura visceral tem sido o alvo de muita pesquisa. Recentemente, algumas descobertas vieram à tona, como a contribuição para o agravamento da covid-19, por exemplo. Pesquisadores também já anunciaram que dormir mal aumenta gordura visceral e prejudica saúde cardiovascular.

No ano passado, uma equipe de cientistas portugueses fez uma descoberta sobre a forma como o cérebro controla, queima e regula o tecido adiposo visceral que envolve os nossos órgãos. Os cientistas pensavam que o sistema nervoso e o sistema imunológico colaboravam para controlar a gordura visceral, com base nos sinais de que os dois sistemas se comunicavam para controlar o tecido adiposo ao redor dos pulmões. No entanto, não havia essa comunicação para outros órgãos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: