Mercado fechará em 1 h 30 min
  • BOVESPA

    111.909,52
    +3.127,38 (+2,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.276,63
    -804,70 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,39
    +1,15 (+1,49%)
     
  • OURO

    1.764,70
    +9,40 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    16.383,65
    +108,49 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,87
    -1,86 (-0,48%)
     
  • S&P500

    3.947,48
    -16,46 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    33.745,43
    -104,03 (-0,31%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.517,75
    -98,50 (-0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4697
    -0,0795 (-1,43%)
     

Gordura visceral contribui para o agravamento da covid-19, segundo estudo

Segundo um estudo publicado na revista Nature Communications e conduzido por pesquisadores da Unicamp e da USP, a gordura visceral tem mais potencial para contribuir para o agravamento da covid-19 do que a gordura existente abaixo da pele.

Nos experimentos, o grupo infectou dois tipos de células: uma obtida através do tecido adiposo subcutâneo e outra do tecido adiposo visceral. Através da análise, os pesquisadores se certificaram de que o adipócito visceral é mais suscetível à infecção pelo SARS-CoV-2.

A razão para isso é que a carga viral aumenta bem mais nesse tipo de célula de gordura do que no adipócito subcutâneo, algo que os pesquisadores relacionaram à maior presença da proteína ACE-2 na superfície celular.

Conforme sugere o estudo, o adipócito visceral produz uma quantidade maior de citocinas pró-inflamatórias, que sinalizam para o sistema imune a existência de uma ameaça a ser combatida.

Gordura visceral contribui para o agravamento da covid-19, segundo estudo (Imagem: photocreo/Envato)
Gordura visceral contribui para o agravamento da covid-19, segundo estudo (Imagem: photocreo/Envato)

Os autores afirmam que, no adipócito subcutâneo, a infecção leva a uma diminuição da lipólise, que é o processo de quebra dos lipídeos em moléculas de ácidos graxos que podem ser usadas como fonte de energia durante atividade física ou períodos de jejum.

Isso representa, conforme indicam os pesquisadores, uma resposta celular antiviral. Anteriormente, outros estudos já lançaram luz sobre a hipótese de que a inibição da lipólise diminui a capacidade replicativa do SARS-CoV-2.

A ideia agora é fazer novos experimentos em culturas de adipócitos com as linhagens delta e ômicron. Outro objetivo futuro é investigar possíveis impactos metabólicos da infecção por covid-19 em médio e longo prazo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: