Mercado abrirá em 7 h 32 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,33
    -0,41 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.644,00
    -11,60 (-0,70%)
     
  • BTC-USD

    18.809,60
    -170,45 (-0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    431,22
    -13,31 (-3,00%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.885,94
    -47,33 (-0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.433,27
    -720,56 (-2,65%)
     
  • NASDAQ

    11.299,75
    -77,00 (-0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0819
    -0,0157 (-0,31%)
     

Gordura saturada faz mal para a saúde?

O organismo saudável precisa de diferentes vitaminas e nutrientes para o seu funcionamento, incluindo as gorduras (lipídios). Para os adeptos da alimentação saudável, a gordura saturada — um dos muitos tipos, como a insaturada e a trans — é vista como uma inimiga. No entanto, a questão problemática está na quantidade ingerida diariamente.

No momento, o consenso é que o consumo abusivo de gordura saturada pode fazer mal para o coração e também é associado com o risco de algumas doenças, já que aumenta o nível de inflamação do organismo. Por outro lado, a ingestão de gordura também é necessária para o funcionamento completo do corpo.

Gordura saturada é ruim para o organismo?

Pode parecer curioso, mas inúmeras vitaminas são lipossolúveis, ou seja, precisam de gordura para serem dissolvidas pelo corpo e, então, absorvidas. Por exemplo, estes são os casos das vitaminas A, D, E e K. Além desses benefícios conhecidos, alguns pesquisadores chegam a questionar os riscos e as evidências científicas associadas à ingestão excessiva das gorduras saturadas, defendendo dietas que são low carb (com poucos carboidratos).

O organismo precisa de gorduras, a questão está na quantidade de gordura saturada ingerida (Imagem: Twenty20photos/Envato)
O organismo precisa de gorduras, a questão está na quantidade de gordura saturada ingerida (Imagem: Twenty20photos/Envato)

Apesar dessa corrente, o consenso médico é de que "devemos reduzir nossas gorduras saturadas e isso reduzirá nosso risco de doenças cardiovasculares”, explica Brian Fisher, médico e diretor clínico da Evergreen Life, para o site Live Science. Em outras palavras, o consumo em excesso representa, sim, riscos e é ruim para o organismo.

Por que gordura faz mal para o coração?

“Uma maior ingestão de ácidos graxos saturados (gordura saturadas ou SFA) aumenta o nível de colesterol total no sangue”, afirma Fisher. “Esses resultados sugerem que são um fator causador de doença arterial coronária (DAC). Em contraste com os ácidos graxos saturados, os poli-insaturados (gordura poli-insaturada ou PUFA) reduzem o colesterol total. Esses achados levaram à conclusão de que a substituição de PUFA por SFA deve ajudar a prevenir a doença", acrescenta.

“Esta possibilidade foi testada em vários grandes ensaios clínicos randomizados. As descobertas desses ensaios foram geralmente interpretadas como indicando que o risco de doença coronariana pode ser reduzido substituindo parcialmente SFA por PUFA”, completa o médico.

Realmente, a gordura saturada não pode ser considerada a única vilã, mas está associada a este risco, sim. É o que defende Lynne Garton, nutricionista e consultora alimentar da organização beneficente Heart UK. "Vários fatores contribuem para o aumento do colesterol no sangue, mas uma dieta rica em gordura saturada é definitivamente um deles, e isso foi confirmado em estudos desde a década de 1950", conta para a BBC.

Risco de Alzheimer aumenta?

Liderado por pesquisadores da University of South Australia, um estudo observou que dietas ricas em gordura podem aumentar o risco para uma série de doenças, como Alzheimer, ansiedade e depressão. No experimento, a equipe usou roedores e mais estudos ainda são necessários, mas este é um indicativo de que problemas do tipo podem afetar humanos, em algum grau, com este mesmo tipo de dieta.

Afinal, o que é gordura saturada?

Em temperatura natural, a gordura saturada é sólida (Imagem: Alexstand/Envato)
Em temperatura natural, a gordura saturada é sólida (Imagem: Alexstand/Envato)

Para entender o que é gordura saturada, é preciso lembrar como ela é construída quimicamente. De forma geral, as gorduras pertencem a um grupo de lípidos chamado de glicerídeos, que são constituídos por glicerol e vários ácidos graxos. Em nível atômico, são longas cadeias de carbono e, dependendo da ligação entre os átomos, elas serão saturadas ou insaturadas.

Para sermos mais precisos, quando as ligações simples estabilizam a molécula de gordura, ela se torna mais rígida e recebe o nome de saturada. É, por isso, que as gorduras saturadas endurecem ao esfriar. É possível observar isso quando se deixa a gordura no prato e ela está dura na hora de lavar.

Quais alimentos contêm gorduras saturadas?

As gorduras saturadas são facilmente encontradas em alimentos de origem animal, como banha, carnes vermelhas e laticínios. A seguir, confira qual a concentração estimada para cada tipo de alimento, em 100g:

  • Carnes vermelhas gordurosas, como costela: 17,8 g de gordura saturada a cada 100g;

  • Manteiga: 50,5 g a cada 100 g;

  • Leite integral: 1,9g a cada 100g;

  • Queijos: 6,4g a cada 100g;

  • Carnes processadas, como calabresa e salame: 17,7g a cada 100g;

  • Sorvetes tradicionais: 4,5g a cada 100g.

Quanto de gordura saturada posso comer?

Como a questão é o consumo excessivo, as carnes mais gordurosas e a manteiga podem, sim, fazer parte de uma dieta saudável. O importante é adotar uma ingestão consciente desses nutrientes. Segundo a Associação Americana do Coração, este consumo não deve ultrapassar 6% de sua ingestão total de energia. Pensando em uma dieta com 2 mil calorias, o recomendado seria a ingestão de 13 gramas. Outras instituições de referência em nutrição, como o manual de Diretrizes Dietéticas para Americanos, defende um consumo diário de 10%, o que se traduz em 20 gramas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: