Mercado abrirá em 19 mins
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,09
    -0,86 (-1,16%)
     
  • OURO

    1.810,40
    -6,80 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    39.303,82
    -2.463,07 (-5,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    958,70
    +8,80 (+0,93%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.076,15
    +43,85 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.017,00
    +61,25 (+0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1104
    -0,0776 (-1,25%)
     

Google vai tentar anular multa bilionária da Comissão Europeia contra o Android

·2 minuto de leitura

O Google está se preparando para participar em setembro de mais um capítulo de uma luta que trava nos tribunais contra a Comissão Europeia. Em 2018, a empresa foi condenada a pagar US$ 5,15 bilhões (R$ 26 bilhões) — a maior multa já atribuída na história da União Europeia — em uma investigação antitruste que a acusa de usar o sistema operacional Android para frustrar rivais, prática que data de 2011. Agora, a empresa busca reverter a decisão.

A partir do dia 27 de setembro, a gigante das buscas deve apresentar sua apelação à Corte Geral baseada em Luxemburgo, segunda mais alta instância da Europa. A previsão é que o evento, que ainda não foi confirmado publicamente, tenha duração de cinco dias, devido à grandiosidade do assunto discutido.

A condenação de 2018 é a maior enfrentada pelo Google, que já foi multado em mais de US$ 9,4 bilhões (R$ 48 bilhões) em três casos que circulam na União Europeia. A situação é especialmente importante devido ao grande alcance do Android, que tem presença estimada em aproximadamente 80% dos celulares espalhados pelo mundo.

Imagem: Divulgação/Google
Imagem: Divulgação/Google

A Comissão Europeia acusa a empresa de forçar fabricantes que usam a plataforma a pré-instalar o navegador Chrome e o aplicativo de buscas Google como condição para fornecer acesso à Play Store. Ela também teria pagado fabricantes para que elas usassem somente sua plataforma de pesquisas e as impedido de usar “forks” do Android — versões que compartilham o mesmo código-base, mas trazem elementos diferentes (como o FireOS, da Amazon).

As multas recebidas pela empresa se referem a práticas com seu sistema de buscas (US$ 2,7 bilhões, aplicados em 2017) e à dominância anticompetitiva do Android (os US$ 5,15 bilhões que estão em disputa). A condenação mais recente surgiu em março de 2019, quando ela foi penalizada em US$ 1,7 bilhão (R$ 8,8 bilhões) por práticas anticompetitivas ligadas a seu sistema de publicidade AdSense.

Recentemente, o Google também está tendo que lidar com pressões de reguladores norte-americanos. No dia 8 de julho, 36 estados dos Estados Unidos iniciaram um processo que acusa a corporação de adotar práticas anticompetitivas em sua loja de aplicativos, que garantem a ela 90% do mercado e impedem a ascensão de competidores como a Galaxy Store, da Samsung.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos