Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.281,28
    -67,50 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Google vai proibir apps de VPN que bloqueiam anúncios na Play Store

O Google anunciou nesta terça-feira (30) que proibirá aplicativos de VPN disponíveis em sua loja de aplicativos do Android, a Play Store, de interferir ou bloquear publicidade. A mudança deve causar alguns problemas para diversos aplicativos, principalmente alguns que são focados em privacidade.

De acordo com o Google, a nova política entrará em vigor no próximo dia 1º de novembro, e abarcará apenas aplicativos que usam a classe base Android VPNService, e que funcionam para abrir um portal seguro no nível do dispositivo para um serviço remoto. Essas VPNs, porém, não podem "manipular anúncios que podem afetar a monetização de aplicativos".

O objetivo da nova política do Google

A nova política pode ter como objetivo impedir serviços de VPN que capturam dados, além de evitar fraudes de anúncios. Os termos e condições do Google Play preveem que os desenvolvedores precisam declarar o uso do recurso na listagem da loja de aplicativos, e também devem criptografar dados do dispositivo para o endpoint da VPN.

A fabricante sueca Blokada, que desenvolveu um aplicativo para bloqueio de anúncios, teme que a nova política prejudique a interação de seu software com outros aplicativos orientados à privacidade.

"O Google afirma estar reprimindo aplicativos que usam o serviço VPN para rastrear dados de usuários ou redirecionar o tráfego de usuários para ganhar dinheiro por meio de anúncios", escreveu Reda Labdaoui, gerente de marketing e vendas da Blokada, em um post no blog da empresa.

Labdaoui pondera que as mudanças de termos e condições também se aplicam a softwares que usam o serviço para filtrar o tráfego local no dispositivo. O executivo acredita que a versão mais recente do aplicativo da empresa, o Blokada v6, lançado em junho deste ano, não deve ser afetada, mas isso não vale para todas aplicações deste tipo.

DuckDuckGo pode ser uma vítima

Um dos aplicativos que podem ser afetados é o DuckDuckGo Privacy Browser para Android. O aplicativo é um navegador que cria um serviço de VPN local para fazer uma proteção contra rastreamento de aplicativos e bloquear conexões do servidor com o rastreador. A DuckDuckGo não acredita que seu app será afetado pela política, mas deve adequar seu software a ela.

Há alguns anos o Google já não permite que aplicativos Android bloqueiem anúncios em outros aplicativos que não sejam navegadores web. A Chrome Web Store, inclusive, tem uma diretriz que pode ser usada para banir extensões de bloqueio de anúncios, se o Google quiser tomar essa ação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: