Mercado abrirá em 6 h 43 min
  • BOVESPA

    111.878,53
    +478,62 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,17
    -0,11 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.838,30
    +8,10 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    19.082,35
    +1,00 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,38
    +9,47 (+2,59%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.463,39
    +78,66 (+1,23%)
     
  • HANG SENG

    26.645,12
    +112,54 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    26.783,03
    -17,95 (-0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.468,00
    +13,75 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3609
    +0,0411 (+0,65%)
     

Google vai permitir que usuários colaborem com o Street View usando o celular

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

Você sempre quis colaborar com o Google Street View, mas não tinha uma câmera 360 graus? Seu sonho é que o Gigante das Buscas passe com seu “carro digitalizador” e atualize as imagens da sua rua favorita? Bom, tudo indica que, em breve, esses problemas não existirão mais — a empresa testa um recurso que lhe permitirá colaborar com o serviço de mapas usando nada além de um smartphone comum.

A informação parte de um vídeo publicado no YouTube por um internauta identificado como Jeremy G. Ele garante ter sido presenteado, no app oficial do Street View, com uma nova funcionalidade batizada de “Driving Mode”. Ao ativá-la, a câmera do celular é ligada e começa a gravar o seu trajeto, para posteriormente encaminhar essas imagens para a nuvem; a ideia é que você deixe o app rodando enquanto dirige por aí.

“Eu já contribuí com quase 200 km de vídeos que estão aparecendo em meu perfil, mas não consigo ver as fotos em nenhum lugar no aplicativo Street View ou no Google Maps. Eu carreguei alguns deles há mais de um mês e ainda nada está aparecendo”, explica Jeremy. Ele também nota que algumas das ruas gravadas aparecem com a “linha azul”, mas não podem ser clicadas ou visualizadas.

Embora a invenção possa ser bastante útil para o próprio Google, a grande questão é como a companhia fará o tratamento das imagens capturadas pelos usuários para manter um padrão mínimo de qualidade — afinal, é fácil imaginar a quantidade de material descartável (levando em conta gravações de baixa qualidade, com visibilidade prejudicada por fatores externos) a empresa receberá.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: