Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,26
    -0,24 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.769,30
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    22.783,09
    -672,59 (-2,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    542,05
    -15,68 (-2,81%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.856,83
    +92,92 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.967,94
    +25,80 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.511,50
    -11,75 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

Google vai banir propaganda política antes de eleição presidencial nas Filipinas

·1 min de leitura

MANILA (Reuters) - O Google, da Alphabet, informou nesta quarta-feira que vai proibir a propaganda política em sua plataforma antes das eleições presidenciais nas Filipinas em maio de 2022, quando os filipinos vão escolher o sucessor de Rodrigo Duterte.

A medida foi tomado em meio à pressão sobre as plataformas de mídia social devido ao modo com que lidaram com a publicidade política durante as eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2020.

As plataformas se tornaram campos de batalha política no país do sudeste asiático, e estudos mostram os filipinos no topo do ranking global de tempo gasto em mídia social.

Anúncios eleitorais que promovam ou se oponham a qualquer partido político ou candidatura a um cargo público não serão permitidos entre 8 de fevereiro e 9 de maio de 2022, disse o Google em uma atualização de sua política de conteúdo político.

As datas cobrem o período de campanha até o dia das eleições.

O Google informou que notificações serão enviadas aos anunciantes afetados pelas regras.

A empresa já proibiu a publicidade política em sua plataforma anteriormente, incluindo nas eleições federais no Canadá em 2019 e antes do pleito em Cingapura em 2020.

Plataformas de mídia social como o Facebook ajudaram a fortalecer a base de apoio de Duterte e analistas consideram que elas foram fundamentais para sua vitória em 2016.

Os filipinos escolherão o sucessor de Duterte, que, de acordo com a Constituição, não pode concorrer a outro mandato. Ele será candidato a senador.

(Reportagem de Karen Lema, em Manila)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos