Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.563,47
    -696,28 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.253,09
    -454,63 (-1,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,58
    -1,27 (-3,19%)
     
  • OURO

    1.905,80
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    12.944,78
    -205,25 (-1,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    258,06
    -5,36 (-2,03%)
     
  • S&P500

    3.384,34
    -81,05 (-2,34%)
     
  • DOW JONES

    27.539,46
    -796,11 (-2,81%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.453,50
    -210,00 (-1,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6422
    -0,0217 (-0,33%)
     

Google TV: o que é e como funciona a nova interface do Google

Rubens Eishima
·5 minutos de leitura

Com o lançamento do novo Chromecast, algumas pessoas podem ter se perguntado o que é o Google TV. Seria um sistema para substituir o Android TV? Uma alternativa ao Apple TV (aparelho) ou ao Apple TV+ (aplicativo)? A resposta é um pouco mais simples, como o Canaltech explica a seguir.

Outro Google TV?

Antes de mais nada, o novo Google TV não tem relação com outro produto de mesmo nome oferecido pelo Google entre 2010 e 2014. O primeiro Google TV era um sistema operacional para televisores, mas que foi deixado de lado pela empresa por uma opção mais integrada ao sistema para celulares, o Android TV.

O que é o Google TV?

O Google apresenta o Google TV como “uma nova experiência”. O sistema funciona como uma personalização do Android TV, que continua em execução em segundo plano, para oferecer conteúdos personalizados para o usuário.

Comparando com os celulares, a novidade é uma espécie de launcher, que reorganiza os recursos disponíveis no aparelho, neste caso otimizado para a navegação por filmes, séries e transmissões online.

Enquanto no Android a tela principal é uma coleção ordenada de aplicativos e conteúdos dos diferentes aplicativos — YouTube, Netflix, Prime Video, Globoplay etc. — separados em cada um dos serviços, o Google TV lista os conteúdos de maneira integrada.

A estratégia é semelhante à usada pelo sistema Roku, recém-chegado ao Brasil, e ganha força em um momento em que o mercado de serviços de streaming ganha mais e mais concorrentes, incluindo os gigantes HBO Max, Disney+ e Apple TV+.

A integração dos serviços em um único lugar simplifica não apenas a busca de conteúdos — por exemplo, “onde mesmo eu posso encontrar os episódios de Um Maluco no Pedaço?” — como permite, no caso do Google TV, simplificar a tarefa de guardar uma lista do que assistir, aproveitando o recurso “O que assistir”, já disponível na conta do Google.

Lista “O que assistir” pode ser acessada no celular buscando por “what to watch” no app do Google (Imagem: Rubens Eishima/Canaltech)
Lista “O que assistir” pode ser acessada no celular buscando por “what to watch” no app do Google (Imagem: Rubens Eishima/Canaltech)

Integração com o Assistente

Assim como os aparelhos atuais equipados com o Android TV, como o Xiaomi Mi Box, Nvidia Shield e aparelhos de TV de marcas como Sony, Philips e TCL/Semp, o Google TV aproveita os recursos da assistente virtual do Google para comandos de voz.

Nesse ponto surge outra vantagem da integração dos conteúdos de diversos serviços no Google TV. Atualmente, no Android TV, o Google Assistente responde ao comando “filme do Batman” com uma lista de filmes apresentada como em uma busca na internet. Ao selecionar um deles, é exibida uma ficha técnica e só então opções para consumo — geralmente listando antes um trailer (no YouTube, claro) mesmo para filmes disponíveis em um serviço instalado.

Busca por filmes no Android TV retorna uma lista burocrática (Imagem: Rubens Eishima/Canaltech)
Busca por filmes no Android TV retorna uma lista burocrática (Imagem: Rubens Eishima/Canaltech)

Uma busca semelhante no Google TV exibe uma lista com os mesmos filmes, com botões para assisti-los diretamente no serviço em que estão disponíveis, sem que o usuário precise desviar de links para o YouTube ou precisar encontrar o atalho que abre o app de streaming. Pode parecer exagero, mas é o tipo de simplicidade que tornou o Roku a plataforma de smart TV mais popular nos Estados Unidos.

Além das buscas, como o Android TV continua rodando sob o Google TV, o Google Assistente mantém os recursos atuais de comandos de voz para dispositivos conectados, como lâmpadas Philips Hue, aparelhos Google Nest e outros dispositivos configurados no aplicativo Google Home.

Compatibilidade de apps

Por funcionar como um aplicativo sobre o Android TV, o Google TV mantém a compatibilidade com os aplicativos disponíveis para o sistema. Até mesmo a instalação de apps fora da Play Store (sideload) está disponível, o que permite, por exemplo, instalar o serviço de streaming de jogos Stadia, não distribuído com o novo Chromecast.

Nas redes sociais, um vídeo mostra o aplicativo Xbox Game Pass (atualmente exclusivo para smartphones) em uso no novo Chromecast, rodando jogos com o serviço de streaming da Microsoft.

Em breve na sua telinha?

Apesar de estar disponível exclusivamente no novo Chromecast, o Google TV já foi anunciado para televisores da marca Sony e outros parceiros com o sistema Android TV. A empresa não revelou mais detalhes sobre o cronograma de lançamento, mas é possível fazer algumas previsões.

Capturas de tela de compradores do novo Chromecast mostram que o aparelho utiliza o sistema Android TV 10, apesar de o Google já ter lançado a versão 11 do sistema.

Considerando o fraco histórico de atualizações do Android TV nos aparelhos de TV, o mais provável é que o Google TV seja instalado de fábrica nos novos modelos lançados no ano que vem, ou então quando os fabricantes eventualmente atualizarem os modelos existentes para o Android TV 10 ou 11 — no entanto, o fato de a maioria dos modelos da Sony estarem ainda no Android 8 (Oreo) não oferece muitas esperanças.

Uma opção que exigiria menos paciência dos usuários, ou a troca dos aparelhos atuais, é a liberação do Google para a instalação do aplicativo do Google TV, já disponível na Play Store, mas atualmente restrito para instalação no novo Chromecast.

Uma coisa é certa, porém, o novo Google TV não será lançado para os modelos antigos do Chromecast, que não utilizam o sistema Android TV.

“Modo anônimo”

Para quem não precisa (ou não quer) que o Google sugira a todo momento conteúdos para assistir, o que requer uma análise constante dos hábitos de consumo, o novo Google TV oferece ainda um modo de exibição apenas com aplicativos.

A opção remove as abas com sugestões, transmissões ao vivo, filmes, séries e a biblioteca de mídia para listar apenas os aplicativos instalados no sistema. O uso do recurso, porém, remove a busca de mídias, além de desativar os comandos de voz do Google Assistente.

Opção mantém a sugestão de destaque na tela principal (Imagem: rrainwater/Reddit)
Opção mantém a sugestão de destaque na tela principal (Imagem: rrainwater/Reddit)

E tem mais Google TV

Não bastasse a confusão de reaproveitar o nome de um produto morto, o Google rebatizou nos Estados Unidos o antigo Google Play Filmes como “Google TV”. A iniciativa tem tudo para gerar a mesma confusão entre usuários desavisados que os diferentes produtos da Apple com o nome de "Apple TV" — aparelho de streaming, aplicativo de consumo de mídia e serviço de streaming por assinatur (mas esse problema é fichinha para a empresa que chegou a oferecer quatro aplicativos com Hangouts no nome...).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: