Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.702,91
    +2.935,35 (+7,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Google tentou anular a Galaxy Store da Samsung, alega novo processo antitruste

·3 minuto de leitura
Google tentou anular a Galaxy Store da Samsung, alega novo processo antitruste
Google tentou anular a Galaxy Store da Samsung, alega novo processo antitruste

O Google novamente está na mira da Justiça americana. Uma coalização de três dezenas de procuradores-gerais do estado decidiram mover uma ação antitruste contra a big tech. O motivo? As alegações acusam que a gigante usou de práticas anticompetitivas para “anular preventivamente” a Galaxy Store, da Samsung, e impedi-la de se tornar uma concorrente viável de sua própria loja de aplicativos Play Store.

As acusações confrontam a principal defesa do Google de que, diferentemente das regras do iOS, da Apple, o Android permite lojas de aplicativos concorrentes e ferramentas de sideloading para a instalação de apps. Apesar da disponibilidade desses recursos, o processo considera que trata-se de uma “abertura de fachada“, já que as práticas de negócio do Google impediram o surgimento de uma loja de apps concorrente.

“O Google se sentiu profundamente ameaçado quando a Samsung começou a reformar sua própria loja de aplicativos, a Samsung Galaxy Store”, diz o processo. “Para o Google, a competição na distribuição de aplicativos é um vírus a ser eliminado”, aponta outro trecho do documento.

Segundo as alegações uma das táticas utilizadas pelo Google foi o compartilhamento de receitas com fabricantes de smartphones Android para que proibissem a pré-instalação de algumas lojas de aplicativos.

O processo também aponta que o Google executou pagamentos a desenvolvedores de aplicativos para encorajá-los a não distribuir suas ferramentas fora da Play Store. Além disso, a big tech teria tentado pagar a própria Samsung para que a coreana abandonasse relacionamentos com os principais desenvolvedores, em uma tentativa de diminuir a concorrência por meio da Galaxy Store.

<em>De acordo com processo, Galaxy Store foi encarada como uma verdadeira ameaça à Play Store, do Google. Foto: Samsung/Divulgação</em>
De acordo com processo, Galaxy Store foi encarada como uma verdadeira ameaça à Play Store, do Google. Foto: Samsung/Divulgação

Leia mais:

O que diz o Google

Naturalmente, o Google rechaçou as acusações logo após a abertura do processo. Em postagem no blog da empresa, Wilson White, diretor sênior de Políticas Públicas da big tech, enquadrou as alegações como “um processo sem mérito que ignora a abertura do Android”.

“Se você não encontrar o aplicativo que procura no Google Play, pode optar por fazer o download do aplicativo em uma loja de aplicativos rival ou diretamente do site de um desenvolvedor. Não impomos as mesmas restrições que outros sistemas operacionais móveis fazem”, publicou o executivo, alegando que as fabricantes podem instalar outras lojas de apps e que a maioria dos dispositivos Android possuem duas ou mais opções.

Vale lembrar que a Epic Games já havia feito alegações semelhantes no ano passado, quando acusou o Google de anular métodos de distribuição de apps rivais. A desenvolvedora de games acusou o Google de forçar a OnePlus a abandonar um acordo para que seus smartphones viessem com um instalador especial do jogo Fortnite. Esse acordo também teria impedido a LG de pré-disponibilizar a loja de aplicativos da Epic Games em seus dispositivos.

Aliás, essas alegações foram consideradas na atual ação judicial contra o Google. Segundo os procuradores-gerais, as ações da big tech contra o desenvolvimento de lojas de apps rivais ganharam ainda mais força após a Epic Games ter decidido distribuir o Fortnite fora da Play Store.

Fonte: The Verge

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos