Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.632,26
    +1.526,41 (+4,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Google se defende de acusações de monopólio e não vai mudar sistema de pesquisa

Felipe Ribeiro
·1 minuto de leitura

Depois do estado do Texas iniciar um processo contra o Google alegando práticas monopolistas em seu sistema de pesquisa, outros 37 estados e territórios nos Estados Unidos, por meio de seus procuradores-gerais, também interpelaram a gigante da tecnologia sob a mesma alegação. Segundo os documentos, a empresa estaria prejudicando concorrentes para favorecer seus serviços dentro do mecanismo de busca.

O Google, por sua vez, já iniciou sua defesa. Segundo o Engadget, a empresa alega que seu buscador evolui conforme o feedback dos usuários, e não de modo a prejudicar os concorrentes. Como exemplo, a empresa chegou a apontar para o Bing, da Microsoft, que utilizaria as mesmas táticas.

Apesar disso, o principal ponto destacado pelo Google para se defender desse processo multiestadual vai além de simplesmente citar uma concorrente como exemplo. Para a empresa, modificar completamente seu sistema de busca poderia prejudicar pequenas e médias empresas que fazem uso da plataforma. Ainda de acordo com a gigante da tecnologia, suas buscas impulsionam mais de 4 bilhões de conexões diretas para empresas mensalmente, mesmo que essas indicações não tenham a ver com empresas ligadas a ela.

"Redesenhar a Pesquisa do Google dessa forma prejudicaria a qualidade dos resultados da pesquisa. E isso prejudicaria empresas como pequenos varejistas, restaurantes, oficinas, companhias aéreas e hotéis cujas listagens no Google os ajudariam a serem descobertos e a se conectar diretamente com os clientes. Nossa página de resultados de pesquisa, que costumava mostrar 10 links, agora mostra uma média de 26 links de saídas em dispositivos móveis", explicou a empresa em comunicado.

Mais detalhes do processo devem ser revelados em breve.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: