Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.631,95
    -1.296,59 (-3,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Google revela novas opções de monetização para desenvolvedores no Android

·2 minuto de leitura

Desenvolver aplicativos e jogos pode ser algo muito lucrativo para alguns, mas o retorno costuma ser bem pequeno (quando há) para a imensa maioria. É por isso que fontes alternativas de monetização são necessárias para garantir o sustento dos pequenos desenvolvedores, já que a todo momento eles precisam imaginar estratégias novas para lucrar.

Pensando nisso, o Google revelou algumas novas opções de monetização interessantes para os profissionais que usem em seus aplicativos.O anúncio da novidade chega junto do Google I/O 2021, o que dá a entender que pode ter sido inspirada na demanda dos desenvolvedores participantes.

Trata-se de modelos de assinatura que permitirão a venda de itens de diferentes maneiras. A ideia é beneficiar tanto quem vende quanto quem compra aplicativos no ecossistema Android. Em vez de opções fechadas e que nem sempre atendem a todos, seria possível compartilhar pacotes completamente personalizáveis pelo usuário: ele escolhe o que deseja, agrupa tudo e paga um preço único e menor do que o valor cheio.

Isso dará aos desenvolvedores a opção de vender seus itens separadamente, o que pode impulsionar as vendas. Muita gente deixa de comprar a versão completa porque acredita que pagará por algo que não vai utilizar. Por exemplo: um app de edição de vídeos cobra R$ 89,00 para liberar todos as funcionalidades, mas o usuário só quer usá-lo para cortes simples (sem efeitos, filtros ou outros recursos). Neste caso, poderia existir um preço promocional de R$ 19,90 para quem só quiser essa opção mais básica.

A vantagem desse modelo é que permite a mudança em tempo real em vez de cobranças caras ou mensalidades. Funcionaria como um plano pré-pago de telefonia ou um aluguel: se precisa de um novo recurso durante um tempo, faça o upgrade. Parou de usar aquela função? Basta cancelar e não haverá cobrança extra.

O Play Pass foi uma iniciativa do passado recente do Google para monetizar desenvolvedores de games (Imagem: Divulgação/Google)
O Play Pass foi uma iniciativa do passado recente do Google para monetizar desenvolvedores de games (Imagem: Divulgação/Google)

Imagine se a Microsoft resolvesse liberar a assinatura apenas do Word em vez de obrigá-lo a assinar o pacote inteiro? Talvez, mais pessoas resolvessem pagar por isso. Hoje, esse tipo de oferta só existe em serviços específicos e comercializados fora da Play Store, mas ele poderá ser uma alternativa viável com o apoio do Google.

Ainda não há previsão de quando essas novas opções de monetização podem chegar, mas o fato é que elas podem tornar as compras online via celular muito mais conveniente (e lucrativa) para todos.

O que você acha deste modelo? Seria uma alternativa viável para que se pague apenas pelo uso real dos apps? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos